Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Crianças’

PicMonkey CollageAquele menino lindo que há dois anos ganhou uma mesa do Snoopy, logo depois ganhou um presente mais legal ainda: uma irmã! Ela já é proprietária de uma banqueta de joaninhas feita por minha mãe (nada mais natural, afinal ela se chama Joana). Agora a nova dupla precisava de outra mesa, dessa vez para a praia. De Snoopy, of course. Ficou bem bonitinha.

IMG_5217

IMG_5216

IMG_5212 IMG_5589a

IMG_5779

Você também vai gostar de…

DSCN3392

Snoopy em série

DSC02044Banco de golfinhos

DSC04463

Múltipla escolha e um coelho

Anúncios

Read Full Post »

 

DSCN3728

Sou fonoaudióloga. Não trabalho em consultório há tempos, mas o que aprendi, aprendi. E uma das coisas que sei sobre a linguagem de uma criança é  que quando está aprendendo a falar, ela entende muito mais do que consegue expressar.

Pensando nisso, quando meus filhos eram pequenos, inventei um contador de histórias que tinha o objetivo científico de desenvolver sua imaginação e vocabulário, e o objetivo salvador-de-mães de acalmar as feras em conjunto antes de dormir. Juntava os dois cheirosos nos seus pijaminhas, com suas pancinhas cheias de macarrão com vina e, nós três amarfanhados na cama de um deles, começava a inventar histórias com os desenhos da cartolina colada na parede. Comecei sendo eu a contadora, mas logo fui substituída por eles, a cada noite um inventava sua história maluca, onde trem, circo, palhaços, leões e baleias conviviam em contos improváveis. Pura diversão e criatividade.

Acabei fazendo muitos contadores de histórias, desde então. Aparece um bebê novo na família ou imediações e, pimba, contador de histórias nele. Esse último foi feito para minha sobrinha Isabella, que acaba de começar a andar e seu próximo grande feito, com certeza, será a fala. Estou fazendo minha parte, então. Palavras para Isabella.

DSCN3614

DSCN3624

DSCN3622

DSCN3727

Aqui, Isabella em ação, fazendo cookies com a Dinda dela.

Você também pode gostar de…

Captura de Tela 2012-11-17 às 11.26.51Registros

DSCN2509Um leão para um bebê

DSC02802Viagem ao Peru

Read Full Post »

554245_462893900453744_294944186_n

Barbara vem de uma grande e multitalentosa família. Tem quem desenha, quem canta, quem filma, quem pinta com pontinhos coloridos, tem quem simplesmente inventa. Criatividade faz parte do DNA.

Quis a vida que Barbara, cursando Música Popular na FAP, acompanhasse o marido, instrumentista e luthier*, aos Festivais de Música pelo Brasil afora. Resolveu criar camisetas com aplicações musicais e foi logo fazendo sucesso. Pegou gosto pela costura e apliques e, quando a filha Flora nasceu, ganhou da amiga Any um curso de patchwork. Junto com Flora também veio a ideia dos bichosbolsasdeáguaquente para aliviar as cólicas do bebê com mais charme.

1013479_493780084031792_248259089_n

PicMonkey Collage

Os bichosbolsadeáguaquente são capas para bolsas de água quente ou saquinhos de sementes, com os quais se aquece da cólica ao torcicolo, do pé gelado à coluna estropiada. E estão evoluindo, já podem ser encontrados com alças e como mochilas para a criançada carregar suas coisinhas por aí. E com cara de tudo: galinha, pintinho, ovelha, porco, gato, coruja… Uma graça total!

PicMonkey Collage1

1186993_529483707128096_1558620503_n

1012361_499751210101346_801128017_n

1239552_530316427044824_1898026542_n

Barbara também passeia pelo mundo dos bonecos: reproduz em forma e conteúdo os desenhos da filha. E faz um kit com uma boneca feita apenas em pano branco acompanhada de canetas laváveis. A presenteada pinta a bonequinha como desejar. Criatividade também se presenteia.

64716_456471161096018_2113043309_n

527799_456038847805916_221279114_n

603030_484833921593075_458084118_n

Barbara traz uma boa reflexão: “poderia me profissionalizar, ter um atelier em uma sala comercial, funcionários para aumentar a produção… Mas estar na minha casa, com minha filha por perto, cuidando da minha horta, cozinha e costuras, mantendo o ar artesanal, vale muito mais”.

35907_468250983251369_1271671961_n

DSCN3666

1173807_527978967278570_81707501_n

Uma horta mandala.

Ainda bem que ela aceita encomendas: babibrasa@hotmail.com www.facebook.com/coisadepanobabi www.coisadepano.com.br

* Luthier:  é um profissional especializado na construção e no reparo de instrumentos de corda com caixa de ressonância.

Fotos de Barbara Horn

Você também vai gostar de…

DSCN2222a

Fofuras de feltro pousaram aqui

DSC01283Hélio Leites

Captura de Tela 2012-10-18 às 10.31.17Sacolas retornáveis – Por que?

PicMonkey CollaeSomente o necessário

Read Full Post »

Meu cliente número 1 ganhou uma irmãzinha, a Joana. No apagar das luzes de seu posto de filho único, Vicente decidiu que precisava ter um banquinho como o que tem em Blumenau para poder ficar em pé na frente da pia e escovar os dentes, na casa da praia. Mas, como esse vai ser litorâneo, de golfinhos, por favor.

Pedido atendido.

DSC02044

DSCN3537

DSC02037

Para ver posts com mais banquinhos, visite:

Bancos, belos apoios

Fadas no banquinho

Mickey no banquinho

Bailarinas, carros e tigres

Um leão no banquinho

Banco novo do Leo

Você também pode gostar de…

DSC00745aAnil na Grécia

DSCN2983Snoopy na mesa

DSCN2518Bancos e mais bancos

Read Full Post »

Captura de Tela 2013-05-04 às 15.18.49Cena no salão de beleza:

A moça entra, seguida de perto pela filha – 4 anos, no máximo. Enquanto a mãe retoca o ruivo-cobre dos cabelos, a menina olha em volta e resolve que quer fazer as unhas. Alguma manicure disponível? Não, todas ocupadas, seguindo agenda apertada. Mas ela quer tanto… Sei que você consegue dar um jeitinho. Jeito dado, o primeiro faniquito:

– Quero ficar perto da minha mãe!

– Perto não dá, o carrinho não alcança.

– Mas eu quero.

Mãe, prevendo birras em evolução, para de lavar o cabelo pela segunda vez e revoluciona a geografia do salão.

– Pronto, agora você está pertinho da mamãe, tá bom assim?

Claro que não, a moça que faz a unha não tem esmalte da cor Chiclete.  Esse sim é um problemão, minha filha precisa da cor Chiclete, alguém aí tem? Turma de manicures alvoroçada, a cor se materializa, outra crise superada.

Aí, o inevitável acontece: a menina fica com fome. Quer um pastel e um milk-shake. O salão não tem lanchonete, oh céus, e agora?! A mãe se abaixa na frente da criança, mãos nos ombrinhos e tenta explicar: “querida, pode ser água ou chá? Pastel a gente compra quando sair, prometo”. Pronto, essa foi demais. A princesa olha em volta, incrédula, faz bico, o queixo treme e o grito sai gigante daquela boca pequenina.

DSCN3473a

O fim da história deixo para você. Em um mundo ideal, a mãe finalmente lembra que aquela criaturinha tem só 4 anos e que ela devia ter ido brincar em um parquinho. Que quem manda aqui é a mamãe, que ela veio só acompanhar e não bagunçar o coreto. Que isso não se faz, entendido? E que ela vai ter que aguentar um pouco porque mamãe precisa acabar de secar o cabelo e depois vão comer alguma coisa. “Não quer a água? Que pena, vai ficar com sede mais um tempinho. E vamos parar de gritar que não é assim que se resolvem as coisas. Senta aqui e vamos ver se a gente acha uma bolsa cor-de-rosa na revista.”

Mas o que acontece, de fato, é a moça saindo apressada e de cabelo úmido, assoprando as unhinhas chiclete da menina que queria pastel.

DSCN3469

O texto é auto-explicativo, eu acho. Não preciso me alongar sobre como a educação de crianças anda meio atrapalhada, pais criando pequenos reis em seus castelos que quando se deparam com a vida lá fora, descobrem que tantos reis e rainhas não vão saber se adequar às normas e regras que ainda existem por aí. Criados como centro do universo familiar, como se sentirão quando se descobrirem estrelas entre milhares? Centro de nada, afinal? Igual a tantos, no fim das contas? Regras ainda existem, são simples e necessárias para termos um mínimo de civilidade em nosso mundo. Precisam ser aprendidas em casa, simples assim.

Você também pode gostar de…

Captura de Tela 2011-11-22 às 17.23.05Limites

DSC_0097Contratempos

Captura de Tela 2012-10-12 às 12.42.29Tempo de ser criança

Read Full Post »

PicMonkey Collage6

Quantas vezes acontece de você se pegar fazendo ou dizendo coisas que sua mãe dizia? E que você achava que nunca faria ou diria? Uma pergunta que você não gostava de responder, uma ajuda que você detestava dar, um olhar que você jurou nunca usar com seus rebentos… E pimba, aí está você, perpetuando a educação que, que bom, recebeu.

Se sobrou beijo, você vai beijar muito. Se faltou abraço, você quer abraçar mais. Se rotinas ficaram no seu jeito de ser, com seus filhos você as reproduz. Se o apoio, as conversas, a graça e a leveza marcaram positivamente, você quer replicar essas boas sensações. Somos o claro/escuro de nossos pais, reproduzindo atitudes num outro contexto, numa outra geração.

Sou parecida com minha mãe, sei disso. Fisicamente somos semelhantes e no que se refere a gostos e habilidades, herdei algumas. Do meu pai, as mãos, os pés, o cabelo fininho. O resto que trago deles, acredito, foram escolhas minhas. Dos modelos que recebi, fui aplicando aquilo que me servia, a mim e a meus filhos, alvos da maternidade que há muitos anos exerço.

E meus filhos? Que pais serão? Dos exemplos que receberam, que alternativas vão selecionar? Terão entendido que nãos constroem e que facilitar demais atrapalha? Que querer saber onde vai, com quem vai, a que horas volta, não é invasão de privacidade? Terão guardado na memória os picnics, os bilhetes nas lancheiras, a exaltação aos panoramas, as histórias antes de dormir? As doses-cavalares-de amor-de-mãe? Terão valorizado as conversas, as broncas, os limites, as ausências? Seguirão os rituais, os valores, a organização? Terão dimensionado a delícia de andar na grama, de catar conchas, de colecionar gibis, de ver feijão crescendo? De brincar com fantasias, fazer bolhas de sabão, desenhar, de seguir as pistas de tesouros? Vão fazer vulcões de areia com seus filhos?  Ou se renderão à distração fácil proporcionada por Ipads sempre à mão?

É ali, naquele momento, no exercício da paternidade deles é que vamos ver o reflexo do que fomos como pais. Nos pais que meus filhos serão é que realmente verei a mãe que fui. Seguimos modelos, somos modelos. Bom se todos se lembrassem mais disso.

Você também pode gostar de…

DSC04463

Contando históriasCaptura de Tela 2012-10-15 às 10.31.06Espelhos

Captura de Tela 2013-03-07 às 14.51.11Hoje chorei na frente do chuchu

Captura de tela 2011-05-31 às 23.46.10Marcas

Read Full Post »

Em 2011 postei aqui minha procura por um centro de mesa para o Natal e mostrei os que tinha feito nos últimos anos.

Agora, em 2012, minha procura continua sendo por um belo centro, mas dessa vez para crianças, pois pequenas crianças blumenauenses estarão aqui em casa.  E minha sobrinha recém-chegada! Vamos atrás de ideias, então…

Do Pinterest

Da Martha Stweart

Daqui

Da Casa Claudia Natal

Da Marie Claire Idees

E esse não é infantil, mas adorei a ideia.

E esse, definitivamente, a Marina vai ter que fazer!

Você também pode gostar de…

Natal em branco

Fadas e amoras

Natal?!

Read Full Post »

Older Posts »