Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Síndrome de Down’ Category

DSCN3416

Durante 20 anos atuei como fonoaudióloga e me especializei no atendimento de crianças com Síndrome de Down. Estimulei seu desenvolvimento de linguagem com muitos desenhos e jogos inventados.

Anos se passaram, virei artesã e espalhadora de livros e aí… pelas mãos da amiga Maristella, que está formando uma turma de garotas com muita coisa em comum, apareceu a oportunidade de rever as meninas que atendi dos 3-4 anos até seus 9-10. E dessa vez, com outro objetivo, o de ensinar artesanato.

Foi lindo, emocionante, para mim e para elas. Nos revimos depois de tanto tempo, elas agora moças, cheias de planos e com todos os sonhos da juventude. Viajar, trabalhar, namorar, quem não quer?

Foram quatro encontros. Fizemos pintura em madeira e em panos de prato, presentes para o Dia das Mães que estava perto e uma camiseta em tie dye. Fomos visitar o Atelier Artemista, um lugar cheio de artesanatos. Fizemos cartões personalizados e comemos Nega Maluca. Conversamos, muito. Diversão, cor e nostalgia, tudo muito bom. Reforcei minhas convicções de que para fazer acontecer, o primeiro passo é acreditar. Para todas essas moças, pais que apostaram que suas filhas tinham potencial e podiam ter uma vida inclusiva e cheia de aprendizagens, foram decisivos.

PicMonkey Collage

DSC01842

DSC01898

DSCN3444

DSCN3447a

 Esse grupo se encontra na Clínica Cognitiva/ Curitiba. Mais informações, aqui.

Você também pode gostar de…

20100708_0171Bruno

Captura de Tela 2011-11-18 às 09.33.18Mini-recado

DSCN2757Amigas

Read Full Post »

20100708_0171

Bruno tem 24 anos. Todos os dias, levanta cedo, se arruma e vai trabalhar.

Bruno trabalha no McDonald’s. Entrega os sanduíches na janela do Drive Thru. Quem já pegou um sanduíche no Drive Thru de um McDonald’s sabe o que isso significa: atenção, rapidez e gentileza.

Bruno foi eleito Funcionário Destaque em março.

Bruno tem um cromossomo extra.

Mas isso é detalhe. O importante dessa história é que Bruno estuda, trabalha e tem amigos. Como todos nós.

O personagem principal dessa história, então, é Bruno, e não sua síndrome.

Nesse 21 de março, Dia Internacional da Síndrome de Down, Bruno e eu damos parabéns a todas as pessoas com SD que fizeram dela um detalhe em suas vidas. E estão aí, mostrando que podem.

Captura de Tela 2013-03-19 às 13.55.19

Fotos de Claudia Regina para Reviver Down. Iniciativa SpecialKids Photography

E uma música, Ser Diferente é Normal, escrita por Vinícius Castro, do qual já falei aqui.

Aproveito a ocasião para apresentar um blog que contém textos sobre inclusão escolar para crianças com necessidades educativas especiais, produzidos por mim e minha amiga e psicóloga Maria Izabel Valente. Os textos podem ser úteis para quem pratica a inclusão e quer fazer bem feito.

www.inclusaoaprendiz.wordpress.com

Você também pode gostar de…

DSCN3416

Projeto Amigas

Captura de Tela 2012-03-18 às 17.24.27Um dia para comemorar

Congresso Bruno S. Paulo 028Pontos fortes

Captura de Tela 2012-09-23 às 17.12.17Toque-me

Captura de Tela 2011-11-18 às 09.33.18Um mini-recado

Captura de Tela 2012-10-07 às 18.49.44Um livro

Read Full Post »

Comentei aqui há pouco que, entre tudo aquilo que nunca fiz, havia um livro, escrito, guardado em uma caixa de camisa e ainda não publicado.

Mas isso me faz declarar que já tenho um livro publicado, lá em 2009, junto com a Ângela M. Duarte. Inicialmente pensado para crianças com Síndrome de Down, o “Ideias de Estimulação para a Criança com Síndrome de Down – Brincando e se desenvolvendo em casa”, revelou-se mais amplo, com boas dicas para o desenvolvimento de todas as crianças.

Não é exibicionismo, que fique claro. É que lembrei que divulgar é preciso, principalmente porque a renda conseguida com a venda do livro é toda revertida para a Associação Reviver Down, da qual sou uma das fundadoras (é, hoje estou meio exibida, mesmo…).

Para adquirir o livro, entre em contato com a Reviver Down:

reviverdown@reviverdown.org.br ou (41) 3223-5364

Abaixo, imagens da capa e de algumas páginas do livro.

 Você também pode gostar de…

Toque-me

Validação

Um dia para comemorar

Read Full Post »

Era uma vez um menino. Ou uma menina, tanto faz. O que importa é que a criança nasceu diferente. De quem? Das outras. Como todas.
A mãe pegou o seu bebê, levou para casa, apresentou aos irmãozinhos, amamentou, agradou, educou. O filho exigia mais cuidados, ela sabia, mas o assento para portadores de necessidades especiais no ônibus ela não queria não, obrigada. Nem o olhar de compaixão das pessoas que ia encontrando, nem a escola especial, não senhor.
Passada a primeira e necessária fase de estimulação, ela pegou seu filho pela mão e entrou na creche com todas as outras crianças, na escola com todas as outras crianças, no parque, no cinema, na vida com todas as outras crianças.
Ele cresceu, recebendo a atenção, as terapias, os limites, a educação e o amor que toda criança merece. E assim foram, ele e sua família, contagiando quem com eles convivia: “veja só, ele pode!”. “Quem diria, ele consegue!”, “Ele, com as outras crianças? Claro, por que não?”. O menino (ou menina, tanto faz) é uma criança que o mundo finalmente está começando a perceber como realmente é: uma criança.

No dia 21 de março se comemora no mundo inteiro o Dia Internacional da Síndrome de Down, a partir de 2012 reconhecido pela ONU. Celebre reconhecendo que crianças, jovens e adultos com SD podem ter uma vida plena, com escolaridade, trabalho e lazer. Como todos nós.

Muito do que somos é resultado do que se espera de nós e das oportunidades que recebemos. Olhe de um novo jeito para pessoas com Síndrome de Down. Acredite. Permita. Inclua. De verdade.

Aqui você pode entender um pouco o quanto todos somos belos, todos somos dignos. Diferentes, que bom.

Esse vídeo apresenta um lindo trabalho da Happy Down.

Mais informações:

www.reviverdown.org.br

www.inclusive.org.br

www.avidacomlogan.com.br

Você também vai gostar de…

Um mini recado

Calendários

Escolho amar

Read Full Post »

Daqui.

Você também vai gostar de…

Bruno

Voluntarie-se

Pontos fortes

Read Full Post »

Juntei aqui várias coisas inspiradoras. O Rodrigo Santoro, um filme interessante e, principalmente, a comemoração, minha, discreta, aqui nesse canto, de algo em que acredito e pelo qual trabalhei por tantos anos: o direito à inclusão das pessoas com deficiência.

Ontem o governo brasileiro liberou uma verba importante para viabilizar tantas ideias que ficavam no desejo. É chegada a hora de deixar acontecer, de ver escolas se abrirem com qualidade para receber crianças e jovens que merecem estar com todos. Hora do mercado de trabalho abrir portas de verdade e para que cada um de nós olhe para pessoas com deficiência pensando em possibilidades e não em restrições.

Veja o texto na íntegra aqui.

Foto do golfe. Modelo: Vitor Hugo Armacollo. Fotógrafa: Claudia Regina. Iniciativa SpecialKids Photography.

Você vai ver mais inclusão em….

Calendários

Voluntarie-se

Cada um do seu jeito

Read Full Post »

Alguém aí escapou de saber que sou fonoaudióloga? Durante mais de 20 anos atendi crianças com dificuldades de fala e linguagem, concentrando meu trabalho na Síndrome de Down. Sempre acreditei e investi na inclusão de todas as crianças na rede regular de ensino e para dar suporte à inclusão de meus pacientes, eu ia muito à escola de cada um e conversava com suas professoras. O discurso delas começava sempre parecido: “Mas ele não sabe isso… Ele não consegue aquilo… Ele não gosta de…”. Aí eu fazia uma pergunta bem simples: “E você sabe do que ele gosta, o que ele consegue, o que ele entende? Você sabe no que ele é bom?”.  No fim de nossas conversas, o foco da professora estava deslocado dos fracassos do aluno para o seu potencial. Para o que ele já sabia e que poderia ser aproveitado para ele aprender mais. Ela começava a ver o ponto forte da criança e a não ficar presa nas suas dificuldades.

Nós que aqui escrevemos e este texto lemos, podemos não ter nenhuma deficiência aparente. Mas ninguém é bom em tudo. E a boa notícia é que também ninguém é ruim em tudo. As inteligências múltiplas estão aí para comprovar que podemos ser craques em algumas coisas e um fiasco em outras (experimente colocar uma agulha e fio na minha mão e observe…). O lance é descobrir nossos pontos fortes e investir neles. Mudar o foco do “o que é bom para mim” para o “no que sou bom”. Com sorte, você vai encontrar algo que se encaixe nas duas categorias.

Algumas  artesãs aqui são o retrato de pessoas que acharam seus pontos fortes e se expressam através deles.

Nas pinturas em madeira.

Marina e seus doces.
Captura de Tela 2014-08-16 às 11.36.09

As ceramistas.

DSC_0346

DSC_0197

Emília e seus passarinhos.

DSCN1685

Todo mundo tem talentos e qualidades.

Uma boa notícia para encerrar:  mesmo que não esteja encontrando nenhum ponto forte se manifestando em neon dentro de você, lembre que a gente sempre pode aprender algo novo. Comece por algo que você simplesmente goste: comidas, pintura, fotografia, artesanato, dança, corrida, falar francês ou mandarim, jardinagem. Gosta mas acha que não sabe fazer? Vá aprender. Dê o primeiro passo.

Você também pode gostar de…

Cada um do seu jeito

DSCN3594Sempre aprendendo

Marcas

Read Full Post »

Older Posts »