Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Blumenau’ Category

FullSizeRender 2

Verão dando adeus, mas… O tempo mais alargado na praia permite algumas invenções.

A própria casa da praia foi um dos ladrões de tempo de 2014: exigiu viagens constantes e um tapa (quase uma surra) no visual. Casa de quase 60 anos, está pedindo colo. Não querendo investir muito, fui garibando aqui e ali para parecer que algo novo está no ar.

Assim, a casa recebeu uma pintura por dentro e detalhes que deram uma renovada. Por dentro, os fios e canos ainda rogam por uma reforma, mas a gente chega lá.

O banheiro, em estado lastimável, recebeu azulejos. Brancos, 15×15, fácil, certo? Nem tanto, os pobrezinhos estão ficando raros e, pasmem, não tão brancos. Assim, lado a lado, descobrimos que também existem 50 tons de branco…

DSC04639

IMG_4201

IMG_5590

A solução foi colocar adesivos que distraem o olhar e despistam a diferença.

Na parede, um móvel feito pelo meu avô, lá por 1960, portanto, de valor inestimável. A umidade e os cupins se regalaram, quase deram cabo do pobre. Teimosa, restaurei. Ficou como novo e meu avô, de onde me vê, feliz.

IMG_3982

IMG_5530

A mesa, por praticidade e não por beleza, é forrada por uma toalha plástica. Era bege, tudo menos bonita. Agora é de um xadrez azul e branco que muito me agradou (ainda por praticidade, não por beleza). Em um canto alemão construído, novamente, por meu avô. Os cupins quase me convenceram a elimina-lo, mas resisti.

FullSizeRender

Ficou tudo mais bonito por fora. É o que o olho vê e o que realmente importa, agora.

E isso, sabe o que é?

FullSizeRender_2

Você também pode gostar de…

DSCN1446Meu mar 

DSC03953Pinturas de praia 2

DSC04559Pausa

Anúncios

Read Full Post »

Meu cliente número 1 ganhou uma irmãzinha, a Joana. No apagar das luzes de seu posto de filho único, Vicente decidiu que precisava ter um banquinho como o que tem em Blumenau para poder ficar em pé na frente da pia e escovar os dentes, na casa da praia. Mas, como esse vai ser litorâneo, de golfinhos, por favor.

Pedido atendido.

DSC02044

DSCN3537

DSC02037

Para ver posts com mais banquinhos, visite:

Bancos, belos apoios

Fadas no banquinho

Mickey no banquinho

Bailarinas, carros e tigres

Um leão no banquinho

Banco novo do Leo

Você também pode gostar de…

DSC00745aAnil na Grécia

DSCN2983Snoopy na mesa

DSCN2518Bancos e mais bancos

Read Full Post »

Nada acompanha mais o amadurecimento de uma mulher do que o tamanho da necessaire que ela usa para viajar. Lembro dos tempos de menina em que tudo que eu precisava era da minha escova de dentes e do shampoo que minha mãe levava na frasqueira familiar (sim, eu sou do tempo das frasqueiras). Adolescente, à escova de dentes e shampoo somaram-se desodorante e uma escova de cabelo só para mim. Qualquer bolsinha dava conta de tão pífio recado.

Aí a coisa foi complicando. O lápis de olho e o rímel começaram a se tornar obrigatórios. O creme rinse – primórdios do condicionador – era fundamental para desatar os nós no cabelo submetido a permanentes em busca dos cachos que não tinha. Um brilho labial sabor morango coroava o pequeno kit. Logo em seguida, o sol virou vilão e dá-lhe filtros dos mais variados fatores exigindo um espaço só para eles.

Atualmente, temos a bolsinha dos remédios, a dos cremes – para as mãos, para os pés, para as rugas do dia, para as rugas da noite, para o cotovelo. A pré-base, o corretivo, a base propriamente dita, o demaquilante para tirar tudo isso. E o algodão, o cotonete, a faixa para segurar o cabelo, o elástico para não molhar a escova progressiva. O perfume, ah, o perfume, sempre em frascos enormes, mas sem o qual “nos sentimos nuas”. Três necessaires no mínimo para cobrir todas essas pequenas necessidades. E hoje, ao fazer uma mala para uma inocente viagem de 3 dias, tirei da gaveta e coloquei numa necessaire só para ela, minha bolsa de água quente. Acabo de dobrar o cabo da boa esperança. Ai, meus sais.

Tenho uma convidada especial para ilustrar esse assunto. É a Chris do SweetblogChria, onde ela mostra suas artes em tecido que vende em sua loja real em Blumenau e em sua loja virtual, aqui. É tudo muito lindo, colorido e criativo. Já encomendei uma bolsa linda dela, da qual falei aqui.

Aproveitem um belo desfile de necessaires. A gente sempre precisa de mais uma…

Você também vai gostar de…

Origamis

Retrospectiva 2011

Medidas com charme

Read Full Post »

Nostalgia é meu nome do meio. Tenho que me cuidar para não me afundar em memórias, relembrar coisas e lugares com um olhar aparvalhado, lagriminha se formando no canto do olho. Minha escola, minhas férias na infância, a casa da praia, as comidinhas de minhas avós. Sei que preservando o que foi importante para ser quem sou, passo para meus filhos memórias que também serão deles, vividas por tabela e, muitas vezes, dando significado a coisas que só DNA explica.

Família e memória, vamos ao que interessa: a casa de minha avó. Palco das coisas mais aventurosas da minha infância, menina de apartamento que era, essa casa já comentada aqui tem lugar de honra no meu jeitão nostálgico. Mato, cipó, fogueira, amarelinha, ameixa no pé, primos, bota 7 léguas, barro, geleia de framboesa, cogumelos, trilho de trem, ludo, bolinho de banana, spätzle, aquário, livros e mais livros, tudo se mistura em recordações deliciosas.

Quando minha avó faleceu, a casa foi vendida. E transformada em uma coisa horrível, pintada de azul piscina em via de acesso pela qual eu sempre passava quando ia a Blumenau. Fechava os olhos, nem queria ver aquilo. Em abril/12, estive lá e tive a grata surpresa de ver que estava linda, reformada, com as cores próximas da original. Não resistimos: pedimos ao senhor que estava finalizando a reforma, se podíamos entrar. A casa estava vazia e recém pintada. Desnecessário dizer que foi emocionante, tudo era como nos lembrávamos.

Poço feito por meu avô.

Então é isso: a casa da Dona Nora, que antes era a casa de campo de seu pai, Oscar Gross, hoje acolhe a Floricultura do Mario, um homem que entendeu o valor que aquele endereço tem para nós. Minha avó, de onde estiver, vê sua casa e agora está feliz: o amor às flores que sempre a acompanhou, mora lá outra vez.

Você também pode gostar de…

Mãe e professora

Ciranda da boa lembrança

Uma tia de presente

Read Full Post »