Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Desenhos’

livros-de-colorir-para-adultos

Tem moda pra tudo. Tudo mesmo. Tem as que a gente topa, as que a gente ignora e as que a gente odeia. Tem a moda da roupa – de longe a mais comum – mas moda invade todo tipo de comportamento: é moda aquele restaurante? Vamos a ele. É moda comer brócoli? Dá-lhe brócoli. Opa, brócoli agora é bandido? Sai de moda.

A moda do momento é colorir. Livros e mais livros estão sendo criados a toque de pressa total e repetição absoluta para que a gente possa brincar de pintar e, se tudo der certo e você tiver alguma habilidade para isso, relaxar.

Mas a Emília Wanda inventou um jeito para personalizar essa moda e dar a ela sentido e significado: desenhos coloríveis feitos sob medida. O meu ficou lindo, conta a minha história.

DSC04714

De tão lindo, foi parar numa camiseta.

FullSizeRender

E aí, para entrar na moda, eu também fiz um desenho para colorir para o lançamento do meu livro (boa essa sensação de dizer “meu livro’… gostei),  A Coceira de Bartolomeu.

IMG_8753 E tenho obtido resultados como esses: da Bibi e da Laura. 11377234_10206382565150564_8602524836319601770_n IMG_8800Você encontra a Emília Wanda aqui no Facebook ou no email emiliawanda@yahoo.com.br

Você também pode gostar de…

DSCN3624Palavras para Isabella

Captura de Tela 2015-06-07 às 18.52.06Um elefante em minha vida

DSCN1691A poesia de Emília Wanda

Anúncios

Read Full Post »

DSC03660

Bartolomeu é um elefante. Nasceu da necessidade de sossegar duas crianças inquietas em uma viagem de carro. Assim como nasceram tantas outras histórias, inventadas, incríveis e logo esquecidas em algum canto da mente atarefada de uma mãe, na hora de dormir diante do nosso Contador de Histórias. Mas Bartolomeu ficou. Virava e mexia, a gente se lembrava dele.

Passaram-se muitos anos, meus filhos Leo e Marina são pra lá de grandes já. Eu resolvi aprender a desenhar e passei a frequentar aulas no Solar do Rosário, com a Mari Inês Piekas, ilustradora incrível aqui de Curitiba. Dá para ter uma ideia do trabalho detalhista dela, só pela quantidade de passarinhos nessa imagem…

1205passarosII_g

Passou-se lá um ano, desenhei frutas, verduras, sombreados, hachuras, virei fanática por lápis de cor, pincéis, grafites, lápis pastel e coisas do gênero. Desenhei uma porção de coisas que aparecem aqui pelo blog, sempre na base da muita diversão e pouco compromisso. Fui descobrindo que desenhar é louco de bom, mas que eu não sou louca de boa nisso. Mesmo assim, resolvi dar vida ao Bartolomeu. Ele foi aparecendo e resolvi fazer dele um livro. Para conviver melhor com o resultado e minhas expectativas, dei mais voz ao meu lado artesão e pedi que o pessoal da Insight, que editou o livro e trabalhou as imagens, o deixasse assim, com cara artesanal, nada muito perfeitinho. Como minha professora Mari Piekas participou do processo de criação (e porque sou muito fã dos desenhos dela), a convidei para criar a ilustração central, que ficou apenas… sensacional. Não mostro aqui porque é a surpresa da história.

PicMonkey Collage

A Coceira de Bartolomeu conta a história do simpático elefante Bartolomeu que precisa resolver um problema e sai em busca de uma solução que seja boa para todos, não apenas para ele. Uma oportunidade para conversar sobre superação de dificuldades, respeito à diversidade e convivências.

A Coceira de Bartolomeu“, da Editora Insight, também conta com ilustrações de Mari Inês Piekas, apresentação de Marilza Conceição.

IMG_8753

O Bartolomeu tem uma página no Facebook, acompanhe.

Você também vai gostar de…

nuncaTudo aquilo que nunca fiz

Captura de Tela 2012-10-07 às 18.49.44Um livro

FullSizeRender_3Do que me lembro

Read Full Post »

Que tal criar presentes? Mão na massa e dar de presente algo que você mesmo fez? Aqui no ArteAmiga já falamos de tudo – alguma ideia você há de gostar de fazer, algum talento você há de ter.

Faça um quadro-negro. Fácil, moderninho e, de quebra, útil: dá para fazer lembretes e deixar muitos recadinhos.

DSC_0643Aqui

Mesmo que não seja exímio(a) cozinheiro(a), prepare Mango Chutney. É muito fácil, basta seguir a receita, ter todos os ingredientes, jogar tudo numa panela e depois de uma hora você tem vários potinhos lindos para dar de presente. Mango Chutney é um creme agridoce cheio de especiarias e um aroma delicioso que acompanha carnes ou batatas assadas,

Aqui

Que tal bolachinhas de gengibre? Essas exigem um pouco mais de habilidade culinária, mas é lindo ver aquelas fornadas cheirosas saindo cheias de biscoitos dourados. Encha um pote, uma cestinha, envolva em celofane e pronto.

Aqui

Presenteie suas receitas preferidas. Já fiz isso. Comprei um caderninho lindo e nele escrevi muitas das minhas receitas de doces e comidas do cotidiano. Dei de presente para minha irmã que estava indo morar no Peru (devidamente fotocopiado para o resto da família).

Aqui

Faça cartões de visita para alguém que quer divulgar o seu trabalho. Super fácil e fica muito bonitinho.

DSC_0640

Aqui

Asse um bolo. Siga uma receitinha e pronto. Vai agradar.

bolos

Aqui

Personalize. Sem os gastos e empenho de tempo do scrapbooking, simplesmente reúna fotos do presenteado e faça um álbum. Complemente com comentários e passe a mensagem que quer: de amor, de amizade, de saudade.

Aqui

Sabe desenhar? Para uma criança pequena, faça um contador de histórias. Se desenho não for a sua praia, faça assim mesmo, com fotos, recortes de revista, ilustrações que você procura na internet. E veja como usar aqui.

DSCN3624Aqui

No último verão me aventurei nos tingimentos: dá pra criar muita coisa em camisetas, toalhas de mesa, cortinas. Um tapa no visual e um presente exclusivo com o tie dye.

DSCN3068BAqui

Um doce fácil, rápido e delicioso, a Palha Italiana. Faça, corte em pedaços, envolva em açúcar e coloque num pote de vidro. Amarre uma fita dourada e parta para o abraço. A receita está explicadinha aqui (e feita pela minha filha Marina):

A árvore genealógica da sua família. Vale desenhar ou copiar de algum programa da internet que faça isso. Reúna informações e fotografias e resuma a história da sua família.

DSCN2396Aqui

 Escreva. Faça um verso, descreva um sentimento, enalteça qualidades. Escritos ficam. Quer surpreender ainda mais? Ponha num envelope e mande pelo correio.

                                                                    

Aqui

Se tudo parecer estar perdido, pinte pedras. Fáceis de encontrar e de realizar.

DSCN3221Daqui

DSC03370Aqui

Por fim, olhe em volta. E doe. Um livro, um brinquedo, uma roupa, um abraço, seu tempo. Alguém está precisando desse seu presente, tenho certeza.

Você também pode gostar de….

DSCN3594Abanque-se

DSC_0201Bandejas e cashemiras

Natal lembra vermelho

 

Read Full Post »

DSC03660

Uma das minhas mais remotas lembranças da infância, pura e cristalina porque não se apoia em fotos, mas apenas na recordação da cena e das sensações doces a ela relacionadas, é a do meu avô paterno me ensinando a desenhar e pintar. Ele morava no apartamento em cima do nosso e chegava com um leve assobio-senha do qual também lembro muito bem. Tínhamos a nossa hora, o nosso encontro para nos divertirmos assim, com lápis de cor e cadernos. Essas boas memórias habitam o mesmo compartimento das bonecas de recortar vestidos, do Desenhocop, da pintura mágica com água e pincel. Tem gente aí do outro lado da tela que nem sabe do que estou falando…

Infelizmente, meu avô se foi cedo e não tive tempo de perguntar se ele desenhava comigo para agradar sua primeira neta ou porque ele também gostava de pintar e era muito bom nisso.

Hoje, tantos anos depois, decido: ele era muito bom nisso. Me ensinou algumas coisas sobre pintura com lápis de cor que aplico até hoje. O que me faz lembrar dele cada vez que desenho, que bom. Principalmente porque agora tenho lidado muito com caixas de lápis de cor, numa nova mania de ilustrar um livro que tem me tirado o sono e animado meus dias. Os lápis de cor estão de novo na minha vida. As voltas que a vida dá.

Mais um domingo no Croquis Urbanos. Dessa vez, no MON – Museu Oscar Niemeyer. O pessoal é craque, saem desenhos lindos, mas o clima é tão camarada que a gente nem se sente menos capaz.

DSC03654

DSC03661

Você também pode gostar de…

Poty por aí

DSC02698Sonho coletivo

DSCN3387Snoopy em série

Read Full Post »

DSC03522

Você já teve vontade de fazer uma coisa e ficou empurrando essa vontade para a frente? Desculpas de todas as origens amarravam a realização daquilo? Uma dieta que precisa esperar passar a festa da Tia Chiquinha, daqui a três meses;  o cabelo ruivo que está sempre aguardando a próxima visita ao salão, e  a próxima, e a próxima. Aquele desejo enorme de ir fazer aula de dança (ou pintura, cerâmica, costura, culinária, francês, natação, carpintaria, yoga, meditação, salsa – escolha sua alternativa, você há de ter uma) e que está sempre esperando tempo livre ou dinheiro sobrando…

DSC03521a

Bem, eu tinha uma vontade de participar do Croquis Urbanos, um grupo de desenhistas e simpatizantes que acontece aqui em Curitiba. Essa iniciativa existe pelo mundo inteiro, mais conhecida como Urban Sketchers: um pessoal que pratica o desenho de observação, se reúne e desenha em locais agendados através de uma página no Facebook. Simples assim, você simplesmente aparece ali, munido do que tiver – papel,  prancheta, lápis de cor, tinta, o que te der na veneta, um banquinho, cadeira ou canga e vai. Tem duas horas para escolher o ângulo que quer desenhar o que quiser: a construção, a paisagem, uma flor. Depois se encontra com o grupo e todos colocam seu desenhos no chão.

DSC03531

1379815_537586456317126_1497115237_n

Não tem regra, não tem bonito, não tem feio. Tem só a vontade de passar um tempo em algum lugar da sua cidade retratando o seu olhar sobre ele.

Eu fui. Meio insegura, meio perdida, sem saber bem o que fazer. O desenho ficou assim, assim. Mas fui. Matei minha vontade. Ou melhor, criei uma nova: a de voltar sempre.

DSC03529
Quer saber mais sobre o Croquis Urbanos – Curitiba:? Entre aqui.
Sobre o banquinho? No próximo post.
Foto dos croquiseiros na ponte: Cassio Shimizu
Você também pode gostar de…
Captura de Tela 2013-07-03 às 19.45.44

Read Full Post »

 

DSCN3728

Sou fonoaudióloga. Não trabalho em consultório há tempos, mas o que aprendi, aprendi. E uma das coisas que sei sobre a linguagem de uma criança é  que quando está aprendendo a falar, ela entende muito mais do que consegue expressar.

Pensando nisso, quando meus filhos eram pequenos, inventei um contador de histórias que tinha o objetivo científico de desenvolver sua imaginação e vocabulário, e o objetivo salvador-de-mães de acalmar as feras em conjunto antes de dormir. Juntava os dois cheirosos nos seus pijaminhas, com suas pancinhas cheias de macarrão com vina e, nós três amarfanhados na cama de um deles, começava a inventar histórias com os desenhos da cartolina colada na parede. Comecei sendo eu a contadora, mas logo fui substituída por eles, a cada noite um inventava sua história maluca, onde trem, circo, palhaços, leões e baleias conviviam em contos improváveis. Pura diversão e criatividade.

Acabei fazendo muitos contadores de histórias, desde então. Aparece um bebê novo na família ou imediações e, pimba, contador de histórias nele. Esse último foi feito para minha sobrinha Isabella, que acaba de começar a andar e seu próximo grande feito, com certeza, será a fala. Estou fazendo minha parte, então. Palavras para Isabella.

DSCN3614

DSCN3624

DSCN3622

DSCN3727

Aqui, Isabella em ação, fazendo cookies com a Dinda dela.

Você também pode gostar de…

Captura de Tela 2012-11-17 às 11.26.51Registros

DSCN2509Um leão para um bebê

DSC02802Viagem ao Peru

Read Full Post »

O blog que indico hoje é de uma delicadeza ímpar. Só vá lá e deleite-se: Gennine’s Art blog

Gennine’s Art blog

Você também vai gostar de…

Bello Blog – Adoro Crochê

Bello Blog – Claudiaroma

Read Full Post »

Older Posts »