Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Leitura’

DSC00833

Meu cunhado italiano Fabrizio Manili é multitarefas: escritor, marceneiro, humorista amador, pizzaiolo, arrumador-de-tudo-que-aparecer-pela-frente e… tem até um emprego, que não sei explicar do que se trata, algo informático e complexo. E tem uma letra linda.

Ele escreve fábulas personalizadas, adaptáveis para crianças que assim o desejem. Muito legal.

Agora ele inventou outra coisa mais bacana ainda – escreveu um Guia de Viagem para Roma, também personalizável, que faz com que pequenos turistas que cheguem à Cidade Eterna sejam os personagens de uma grande aventura: resolver os 7 mistérios  que se escondem em locais como o Coliseu, a Fontana di Trevi e a Basílica de São Pedro.

PicMonkey Collage

Já pensou, você ter uma criança que faz questão de ir conhecer esses pontos turísticos para se sentir ainda mais parte da história?

Achei o máximo. Como a história precisava ser apresentada em várias línguas, fui escalada para traduzir para o português. Então, funciona assim: está indo para a Itália e com você vai um filho, uma filha, um neto ou criança qualquer? Você pode personalizar um Guia de Roma para ele/ela: quando fizer a reserva do hotel, já encomenda o livro que estará no seu quarto quando vocês lá chegarem.

Captura de Tela 2015-06-03 às 19.11.45

Ou só quer ter o livro com uma história super legal sem sair do Brasil? Entra no site, preenche o questionário, paga (pouquinho) e o livro vai ser diponibilizado para você na Amazon em poucos dias!

A história é muito divertida e, de brinde, ainda ensina algumas coisinhas sobre 7 cantos de Roma. Recomendo.

O site onde tudo se resolve: www.fabbroscrivano.com

Você também vai gostar de…

DSC01152

Madeira na Grécia

db41d3907c21348889371ab791db26fb_thumb

Livros e leituras

DSC04031a

Abriu a porta e foi

Read Full Post »

Captura de Tela 2015-06-07 às 18.52.06 Quando meus filhos eram pequenos, o tempo passado dentro de carros, tanto nos deslocamentos urbanos quanto nas viagens para a praia e afins, tinha sempre um toque de stress.

Na cidade, acontecia porque ambos (um menino e uma menina) tinham uma capacidade sensacional de implicarem um com o outro. Habilidade que crescia exponencialmente no final da tarde, na volta da escola. Essa situação (a de se levarem à loucura mutuamente no banco de trás do carro enquanto a mãe se enfurecia na direção) se repetia, obviamente, em viagens longas.

Consideremos aqui uma mãe cheia de estratégias para distrair crianças e um tempo em que não existiam (ainda bem) os Ipads que paralisam a petizada na frente de telas acachapantes. Aí era um tal de “Quem acha um Fusca branco?”, “Vamos ver quem vê um cavalo?”, “Fui pra Lua e levei…”. Sacolas cheias de lanches, brinquedos, jogos, livros para ler, livros para pintar e toda a parafernália necessária para isso… Mesmo assim, uma hora a coisa degringolava. E, por puro tédio, eles se estapeavam. E gritavam. E choravam. Aí o pai ficava na frente sozinho e eu pulava para o banco de trás para inventar mais distrações e apartar os meliantes.

PicMonkey Collage3

Toda essa história para contar como nasceu uma outra história: como nasceu o Bartolomeu. Numa dessas viagens, nas curvas da estrada para Santa Catarina, o Bartolomeu e sua coceira vieram acalmar Leo e Marina. E de tanto ser contado e repetido para meus filhos e depois, para meus pacientes, foi fazendo parte da família. E virou vontade de ser livro. E… virou livro de verdade. Que eu, muito exibida, resolvi ilustrar por conta própria.

Você já pode conhecer o Bartolomeu aqui: www.acoceiradebartolomeu.com.br

Captura de Tela 2015-06-30 às 08.57.28

Você também vai gostar de…

DSC03660

Desenhar

DSCN3747

Arriscando em aquarelas

leo e marina

Marcas

Read Full Post »

A história que você vai ler foi escrita por meu cunhado e escritor Fabrizio Manili. Um craque em fábulas infantis, que ele cria para personagens da vida real, crianças que adoram se ver em histórias cheias de aventuras.

Dessa vez, os personagens da vida real fomos eu e minhas duas companheiras da Freguesia do Livro. A história original foi escrita em italiano, nacionalidade de Fabrizio, livremente traduzida por mim e é linda, me emociono toda vez que a leio. Por isso, resolvi compartilhar aqui.

Caso não conheça essa minha iniciativa literária, te convido a visitar o site www.freguesiadolivro.com.br e/ou a página no Facebook: http://www.facebook.com/freguesiadolivro

Captura de Tela 2013-07-09 às 14.07.47

Texto de Fabrizio Manili

Era uma bela manhã de junho em Curitiba, o inverno se aproximava e Leo, meio entediado, naquele dia não tinha vontade de ir brincar com os amigos na praça. Preparou um belo pão com queijo, se deitou no sofá e começou a ler um livro sobre piratas. Marina, sua irmã, chegou na sala bocejando:

“O que está fazendo?” – perguntou ao irmão.
“Lendo” – respondeu Leo.
“E do que fala o livro”? – quis saber ela.

Os irmãos tinham isso em comum: gostavam de ler. Antes que Leo pudesse explicar a história, de repente, no silêncio da sala, se ouviu um lamento vindo de trás da grande estante de livros.
“Escutou isso?” – perguntou Marina, ficando em pé em um salto. Leo confirmou com um movimento de cabeça, prestando atenção ao ruído.
“Tem alguém atrás dos livros! Estou com medo…” – falou Marina assustada.

Leo se aproximou lentamente da estante e tirou alguns livros do lugar.
“Sim, sim” – disse uma voz fraquinha de dentro de um livro vermelho – “Estou bem aqui dentro! Por favor, abram!”

Os dois irmãos tiraram o livro da estante e cuidadosamente o apoiaram no chão. Estava meio empoeirado e, depois de soprarem o pó, reconheceram a velha capa.
“É o livro da história da Cinderela”! – exclamou Marina – “Lembra dele? Quando éramos pequenos, líamos essa história sempre, todos os dias!”

Leo abriu o livro e ouviu de novo aquela estranha voz:  “Adiante, adiante… mais adiante: devem ir à página 21…”
Dezoito, dezenove, vinte… vinte e um…
“Finalmente, me encontraram! Parabéns!” – disse a pequena voz.
“Mas… mas… você, quem é?” – perguntou Marina.
“Sou a fada da Cinderela! Vocês não se lembram mais de mim? Verdade que faz tanto tempo desde a última vez que abriram esse livro…”
“O que acontece?” – perguntou Leo – “Por que se lamenta tanto?”
“Uma desgraça”! – exclamou a voz da fada – “Não consigo mais transformar a abóbora em carruagem! Cinderela deve ir ao baile no castelo para encontrar o Príncipe! Mas se não tiver a carruagem… Oh, céus! Não quero nem pensar o que pode acontecer. Que desgraça!”
“O que aconteceu com a abóbora?”- perguntou Marina.
“Oh! Eu não sei. Há algum tempo tenho visto que a palavra “abóbora” está se encolhendo cada vez mais. E com uma abóbora assim murchinha, a magia não funciona! Me ajudem, por favor! Senão, Cinderela não se casará com o Príncipe!”
“Uhm, talvez… Se a abóbora está murcha, está só precisando de um pouco de água fresca!”- raciocinou o menino.

Marina correu até a cozinha para buscar um copo d’água e um contagotas e voltou rápida para a sala. Deixou que um pequeno pingo caísse sobre a palavra “ABÓBORA”. Os irmãos e a fada esperaram um pouco, mas…. nada: a abóbora continuava seca e murcha como antes.
“A água não funciona” – disse Leo tristonho, enquanto a fada começava a chorar de desespero.
“Precisamos procurar ajuda” – declarou Marina – “Vamos levar o livro para algum médico, farmacêutico, veterinário… Não sei! Alguém que possa ajudar a fada a transformar a abóbora em uma carruagem, para levar a Cinderela ao baile no castelo.”.

Leo e Marina pegaram o livro e sairam de casa. Procuraram ajuda durante o dia todo. Pediram ao médico, ao farmacêutico, ao veterinário, ao florista, ao eletricista… mas nada! Ninguém conseguia resolver o problema.

Quando tinham perdido as esperanças de salvar a abóbora e a fábula da Cinderela, passaram diante de um loja muito diferente e colorida. O lugar era cheio de caixas de madeira, daquelas que se usam para carregar frutas e verduras na feira. Todas as caixas estavam cheias de livros, de todo os tamanhos e cores. Leo levantou os olhos e leu a placa em cima da porta: Freguesia do Livro.
“Que lugar estranho”- disse Marina.
“É mesmo, bem estranho”-  concordou Leo. – “Mas aqui cuidam de livros, pode ser que saibam como fazer para não deixar a abóbora da Cinderela murchar e secar de vez. Vamos tentar!”

Os dois entraram meio inseguros. E viram, no fundo da loja repleta de livros, três mulheres que riam e cantavam.
“Que divertidas”…  – disse Marina – “parecem as três fadinhas da Bela Adormecida“.
“Não faça confusão, Marina”. – disse Leo – “Essa é uma outra história.”

Enquanto isso, uma das mulheres se aproximou com delicadeza. Tinha os cabelos escuros, um ar sereno e falava suavemente: “Olá, meninos, eu sou Ângela. O que acontece? O que precisam?”
“Bem… na verdade, nós… não sabemos se…”  – Marina não sabia o que dizer, estava sem jeito de contar aquela história sobre palavras murchas e fadas desesperadas.

Nesse momento entrou correndo na loja um garoto com um livro verde nas mãos. Entregou-o a uma moça loira e sorridente e lhe disse: “Esse é o meu livro da “Branca de Neve” do qual falei ontem. A maçã da bruxa está escura! Está apodrecendo!”
A moça tranquilizou o garotinho: “Não fique preocupado, deixe teu livro aqui que nós cuidamos dele. Vamos levá-lo a pessoas confiáveis”.
Logo depois entrou uma menina com um pequeno livro amarelo apertado entre os braços. Ela chorava e disse entre soluços: “O conto de fadas… Chapeuzinho Vermelho… quando eu era pequenininha… não leio mais… mas agora… a cesta, o pãozinho para a vovó, está seco, cheio de mofo”!!
Outra moça loira acariciou a cabeça da menina e falou: “Fique tranquila, pequena. Você vai ver: vamos encontrar crianças que querem ler esse teu livro amarelo e o pão não vai mais secar. E a fábula vai voltar a ser o que era”.

foto 5

A menina sorriu, enxugou as lágrimas  e saiu saltitando de alegria.
Leonardo chegou perto da moça, curioso: “Então… nós também temos um problema com o nosso livro da Cinderela”.
“Do que se trata”? – perguntou ela.
“Acontece que a fada do livro não está conseguindo mais transformar com a sua magia a abóbora em carruagem, porque ela está seca e murcha. Tentamos regar com água a palavra “abóbora”, mas não adiantou nada.”
“Vejam bem, meus jovens” – respondeu a moça – “os livros, quando não são lidos por ninguém e ficam fechados cobrindo-se de pó em uma estante, murcham; suas palavras mofam, encolhem, somem. E as histórias não funcionam mais, não terminam ou terminam mal. As palavras não são regadas com água, mas sim com leitura!”
“E o que podemos fazer?”- quis saber Leo – “Estamos grandes e já lemos e relemos esse livro tantas vezes. Agora lemos outras coisas e não temos mais tempo nem vontade de reler este aqui”.
“E” – completou Marina – “temos tantos outros livros como esse em casa, que não lemos há tanto tempo!”

A moça livreira respondeu: “Se vocês não leem os seus livros antigos, existem muitas outras pessoas, grandes e pequenas, que não os leram ainda e querem ler. E quando elas também não forem mais ler os livros, poderão presenteá-los a outros, e assim por diante…”

Leonardo e Marina saíram daquele lugar mágico pensando nos livros esquecidos e silenciosos que tinham em casa. Mesmo sem trocar uma palavra, ali tomaram uma decisão. Para que os livros continuem levando suas histórias, precisam viajar por outros olhos. Se olharam e sorriram: chega de palavras murchando em casa, vamos regá-los com leituras.

PicMonkey Collage

O texto acima é de Fabrizio Manili, escritor italiano. Traduzido livremente com autorização do autor por Josiane M. Bibas.

www.frabboscrivano.blogspot.com

Ilustração inicial de Karin Jeanne: www.karinjeanne.com

Outras ilustrações de Lea Cavallari

Você também vai gostar de ler…

DSCN3806Espalhadoras de livros

Captura de Tela 2011-12-07 às 20.11.04Quando nasce um leitor?

db41d3907c21348889371ab791db26fb_thumb-e1288473874314Livros e leituras

Read Full Post »

DSCN2503

Ela já me levou ao meio da floresta amazônica e por aventuras em navios cheios de chineses. Com ela andei por casas cheias de espíritos e me apaixonei por um jovem que viria a se chamar Zorro. Me falou sobre a história de escravos no Haití e das lutas no Chile. Com ela sofri a lenta perda de uma filha e aprendi o que é cozinhar com e por amor. Por ela alonguei leituras e atrasei finais, querendo ficar mais um pouco.

O encanto do uso fluido das palavras, do encadeamento de frases que constroem histórias envolventes como abraços. Histórias de outra gente, de outros mundos, mas que passam a ser nossas cada vez que abrimos as páginas do livro. Ali entro e vou.

1014215_671565886204896_1452614300_n

Homenageando Isabel Allende tenho a intenção de deixar aqui registrado meu apreço a todos os escritores que por meus olhos passaram e um pouco de si em mim deixaram.

images

E você, já leu Isabel?

Imagens da última viagem que têm a ver com livros.

Uma caixa de violão oferece livros em um bar em Leros.  Ao por-do-sol

DSC02880

Em Atenas, um hotel oferece livros livres aos seus hóspedes. E separados por cores! Me senti em casa.

DSC02525

A livraria do Eataly, em Roma. Detalhe: só livros sobre culinária.

DSC02494

Meu cunhado Fabrízio Manili publicou um livro que fala sobre a ilha de Leros e seus personagens gregos:  Leros con l’apostrofo.  Se você lê italiano, recomendo.

IMG_9363

Ver Isabel Allende falando também é muito bom.

Você também vai gostar de…

Captura de Tela 2012-03-25 às 22.48.37Porque não posso ler Martha

Captura de Tela 2012-08-25 às 20.43.29Amores literários

DSC01105Livros na Grécia

Read Full Post »

A Freguesia do Livro é uma iniciativa de quem vos escreve esse blog e mais uma equipe de gente que acredita que ler pode mudar pessoas e futuros. Como dependemos de doações de livros e de pessoas interessadas em montar pontos de leitura, resolvi postar um link para um artigo – Livros que andam por aí – que explica nosso trabalho e que saiu na Gazeta do Povo, aqui de Curitiba.

O texto na íntegra está aqui e é de José Carlos Fernandes e Diego Antonelli. E outro link que leva para nosso trabalho é esse.

E esse vídeo é o que é citado na matéria. Vale a pena ver!

Quer ser freguês também? Doe livros. Nos dê ideias para pontos de leitura, lugares onde podemos levar nossas caixas com livros, sem custo nem compromisso para quem os recebe. E se você for de longe de Curitiba? Comece a sua Freguesia! Nós temos um pequeno manual para enviar com as dicas do pouco que é necessário para começar essa corrente literária na sua cidade.

Se quiser dar uma olhadinha nos lugares onde já colocamos livros, entre aqui e se inspire.

Read Full Post »

Aqui se fala de artesanato. De reciclagem. De leitura. Então é imperativo que se mostre nosso trabalho com as caixas da Freguesia do Livro que começam como simples caixas de frutas em estado lastimável e passam por um rápido trabalho de restauração. Acabam ficando lindas, prontas para transportar livros e colocá-los em lugares inusitados.

As caixas da Freguesia do Livro são ecologicamente corretas, respeitam o conceito de reciclagem e reuso e ficam lindas. Dão um certo trabalho, mas o resultado vale a pena.

Como a caixa chega.
Depois de muito lixar, pintar.
Depois, patinar.
A marca.

Em equipe, tudo vai bem!

As caixas cumprindo sua função: levar e apresentar livros!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Aqui um link cheio de ideias para uso de caixotes de feira.

www.freguesiadolivro.com.br

Você também vai gostar de…

Caixa com história

Vida nova a velhos papeis

Todas as visitas 2

Read Full Post »

A obra de Hélio Leites que veio morar na minha casa combina com minha ligação com os livros. Você ainda não conhece a Freguesia do Livro? Aproveite!

Fui conquistada pelo “Rato de biblioteca”: um rato lendo, por trás dele uma escada que o leva à sabedoria. O rato mexe a cabecinha, ávido pelo livro (um mecanismo embaixo da caixa faz o ratinho mexer a cabeça). E aí Hélio pergunta: “Sabe por que o rato gosta desse livro? Porque é feito de queijo. Com criança é igualzinho. Você tem que dar o que ela gosta pra fazer ela se apaixonar pelo livro”. Sábio.

E já que a conversa é leitura, um vídeo feito aqui em Curitiba que fala desse apaixonante assunto.

Manual de leitura no ônibus | Vídeos | Gazeta do Povo.

Imagem frase inicial: daqui.

Você também vai gostar de…

Amores literários

Livros. Por que não? Por que sim?

Livros em Nova Iorque

Read Full Post »

Older Posts »