Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Miniaturas’ Category

A obra de Hélio Leites que veio morar na minha casa combina com minha ligação com os livros. Você ainda não conhece a Freguesia do Livro? Aproveite!

Fui conquistada pelo “Rato de biblioteca”: um rato lendo, por trás dele uma escada que o leva à sabedoria. O rato mexe a cabecinha, ávido pelo livro (um mecanismo embaixo da caixa faz o ratinho mexer a cabeça). E aí Hélio pergunta: “Sabe por que o rato gosta desse livro? Porque é feito de queijo. Com criança é igualzinho. Você tem que dar o que ela gosta pra fazer ela se apaixonar pelo livro”. Sábio.

E já que a conversa é leitura, um vídeo feito aqui em Curitiba que fala desse apaixonante assunto.

Manual de leitura no ônibus | Vídeos | Gazeta do Povo.

Imagem frase inicial: daqui.

Você também vai gostar de…

Amores literários

Livros. Por que não? Por que sim?

Livros em Nova Iorque

Anúncios

Read Full Post »

Pense em artesanato. Pense em reciclagem. Pense em criatividade e irreverência. Em detalhismo e miniaturas. Misture tudo e chacoalhe bem. Você acaba de criar um Hélio Leites.

Não deve haver dois dele por aí e Curitiba tem a sorte de ser seu habitat. Um sujeito que junta coisas descartadas como caixas de fósforos, palitos de fósforos queimados, latas de milho e atum, botas velhas, botões e palitos de sorvete e com eles cria peças de um preciosismo formidável.

Fossem só as obras, já seria um motivo que justificaria uma visita à Feira de Artesanato do Largo da Ordem, aqui em Curitiba. Mas ele ainda tem uma história para cada uma de suas artes. E fica ali, na sua barraca, contando e encantando a quem quiser um dedo de prosa.

Conhecido na cidade, foi descrito e escrito por Leminsky como “um significador de insignificâncias”  e alguém “que é, ao mesmo tempo, um exercício de liberdade, de humor e de crítica, um convite à fantasia”, e por Helena Kolody, cuja frase ilustra a peça abaixo: “Deus dá a todos uma estrela. Uns fazem dela um sol. Outros nem conseguem vê-la“. A estrela, aliás, é feita de um utensílio típico lá de Minas, usado para engrossar feijão.

Veja as fotos das peças. E acredite: cada uma delas tem uma história que vale a pena ser ouvida.

Nesse post, um video que mostra Helio em seu atelier.

Existem dois livros publicados sobre Hélio Leites, o Pequenas Grandezas, editado pela Artes & Textos e Mínimos, com fotos da Katia Horn.

Você também pode gostar de…

Tinha uma pedra no caminho

Quintal e cerâmicas

A poesia de Emília Wanda

Read Full Post »

Mais uma reunião de visitas. Vale a pena rever. É quase como passear em um shopping, olhando vitrines cheias de coisas lindas.

Emília Wanda sempre cheia de mimos.

A poesia de Emília Wanda.

Renê Tomczak pinta um quadro mais lindo que o outro.

As telas de Renê

Caleidoscópios, uma mania minha, que por sorte a Heidi alimenta.

Um caleidoscópio para chamar de seu.

A incrível habilidade de Malu Scheleder. Cada vez que olho, me impressiona outra vez. Que bom que tenho um desses em casa

A delicada arte do recorte.

Você também vai gostar de…

Muitas

Grécia

 

Read Full Post »

Tem gente que consegue misturar ternura e poesia nas coisas mais inesperadas. Um sapo, um ovo, um passarinho, uma acerola, tudo tem uma historinha que enfeita. Assim é Emília Wanda, que com delicadeza me conta sua trajetória, definida pelo pai, tão encantado por Monteiro Lobato que deu a ela o nome da boneca falante e os caminhos profissionais trilhados pelo admirado escritor: “minha filha, você vai ser advogada ou artista”. Rendendo-se ao fato de que o estudo das leis não eram a sua praia, Emília Wanda seguiu a estrada que lhe restava: cursou Belas Artes. Dali já saiu trabalhando com cerâmica, a arte do detalhe nas miniaturas.

Curitibaninhos do tempo da Pia&Mia.

Minha família. Também Pia&Mia.

Dos tempos de estágio no Atelier Quintal.

Um mini-Advento.

Achou o óculos do Papai Noel? Tem o tamanho da ponta de um dedo.

Terminado o período da cerâmica, Emília Wanda se aventurou por outros caminhos. Com habilidade especial na compreensão das cores, percebeu que as mil plumagens de um passarinho se desvendavam coloridas diante de seus olhos. E os passarinhos começaram a surgir em telas e mais telas.

Hoje trabalha no Artemista e em seu atelier próprio. A volta à cerâmica era inevitável e agora cria tudo o que a imaginação permite: os passarinhos aparecem em formas e simpatia, os ovos para decorar a Páscoa, os coelhos com uma barriga que pode receber um doce mimo.

Atenção para o nariz em coração.

Um lugar para abrigar um docinho. E o rabinho… em coração.

Ovos de madeira.

Já deu para notar que Emília é uma produtora artística de muito recursos. Decora madeira com a Kamo na Artemista. É craque em personalização: pratos com a árvore genealógica de uma família, super presente para avós, e canecas com as características do presenteado.  Paredes sob encomenda, como a que fez na casa da minha querida amiga Mônica.

Emília arborizou a casa de Mônica.

Emília Wanda, a boneca que faz arte.

Saí de lá com esse presente.  Pipius e acerola. Dá para ser mais mimoso?

Na casa da Emília Wanda encontrei isso aqui. Mas isso é conversa para outra hora… que você pode ver aqui.

Encomendas? Ela gosta: emiliawanda@yahoo.com.br

Você também vai gostar de…

Artemista

Pontos fortes

Pomar

Read Full Post »

Mães adoram dizer aos filhos que seus armários refletem sua organização interna. Acho que é apenas uma daquelas frases que usamos para ver se conseguimos um mínimo de ordem nos quartos de adolescentes que são naturalmente bagunceiros e, vamos admitir, não estão nem aí para arrumações. Como os meus já são mais velhos, posso declarar que eles aos poucos vão percebendo que os minutos que passam procurando “aquela camiseta” no caos que estabelecem, os faz perder um tempo que vai ficando cada vez mais precioso. E acabam se organizando.

Até adolescentes gostam de caixas para guardar seus tesouros. O filho, que é um organizado desde que nasceu, tem caixas de fichas de pôquer, de documentos, de papeis em geral em seu escritório. A filha, em processo acelerado de organização, tem caixa de tudo: maquiagem, bijuteria, bijuteria e… ah, bijuteria.

Deixo aqui dois vídeos de artesãos curitibanos de quem sou fã. Os dois trabalham com coisas minúsculas e você vai ver que um tem um atelier organizado e outro não. E ambos chegam a resultados belíssimos. Cada um com a sua ordem.

Mais ordem em…

DSC_2104
DSC_0209

Read Full Post »

Coleções

Adoro coleções. Eu, pessoalmente, sou de poucas e boas, mas gosto de observar as coleções alheias, divagar sobre o que leva uma pessoa a se apaixonar e acumular coisas como latas, miniaturas, bules, caixinhas de fósforo, relógios, canetas. O que desencadeia esse movimento? Ter muito de uma coisa e um dia dizer “Opa, isso poderia ser uma coleção!”, ou ser tão fascinado por algo que se resolve começar uma minuciosa coleta?

Quando jovem, comecei uma turma de corujas que foi crescendo em número e qualidade. Até o momento em que percebi que ganhava só  corujas em Natais e aniversários e achei que estava exagerando. Chega de corujas. Guardei a primeira como recordação e fui em frente. Acompanhei a de latas de refrigerantes e cervejas do meu filho e a de brincos da minha filha e, um dia, de repente, me veio uma vontade louca de colecionar cálices de licor. Assim, do nada. Amanheci querendo cálices de licor. Que tal como motivação? Enfim, funcionou. Tenho hoje uma bela coleção de copinhos delicados e formosos, em uma cristaleirinha especial para eles. E aprecio o momento de um fim de jantar, quando trago vários copos desparceirados e lindos para coroar uma boa refeição com um licor.

Lembra que eu gosto de cristais?

No corredor de casa, tem outra: quadrinhos com aquarelas de lugares visitados. Charmosos, porém complicados. Em algumas viagens, o foco “aquarela-do-lugar-visitado” pode atrapalhar um pouco, pois nem sempre é fácil de encontrar. Então estou sempre com um olho no gato e outro no passarinho – enquanto visito um castelo, faço um reconhecimento da área para ver se tem uma gravura do lugar. Da janela de uma pizzaria, espreito pintores nas praças. Mas também, quem disse que colecionar é moleza?

DSCN3499

Aos poucos, como quem não quer nada, vejo que estou juntando galinhas na cozinha. Ainda são poucas, apenas quatro, mas já sinto que podem vir a ter companheiras. Um olho no gato, outro na galinha.

DSCN3506

Mas a procura de respostas aos porquês para coleções persiste. E aí, em um almoço na casa de minha mãe olho em volta e… tará! Genética pura! Meu pai é um colecionador de carteirinha, dedicado e minucioso. Tem de facas antigas, de soldados de chumbo, de miniaturas de carros, máquinas fotográficas… Relógios, isqueiros, canetas… Razões que tornam uma ida à Feira de Antiguidades da Praça Espanha, aos sábados, uma alegria só.

E então entendi: quem coleciona tem um motivo, um assunto, um foco de desejo. Coleções são uma festa para quem acredita que a vida é feita de pequenas coisas que, reunidas, compõem o que somos e preferimos.

É claro que também coleciono as coisas que faço, como as caixas de madeira e os bancos. E as coisas que as amigas fazem, como as jarrinhas da Raquel. E você, coleciona alguma coisa?

Outras coleções em…

DSCN1532Ter tanto

Em flor. Por todos os lados.

Nossos livros inesquecíveis

Read Full Post »

Mais coisas de crianças!

Esses aventais são pintados pela Ângela.

Avental com a carinha da dona.

Uma história da qual a criança gostava.

Para quem vive com a cabeça nas nuvens, inventando arte.

E a Emília Wanda contribui com suas miniaturas.

Anjos para quem nem sempre é tão anjo…

Tem até passarinho-criança!

Baby bird.

No mundo infantil, você vai gostar de…
DSCN3384

Snoopy em série

DSC02044

Banco de golfinhos

Camisetas e quadrinhos

Read Full Post »

Older Posts »