Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Perca um livro’

Quem mexe com livro feito eu, cria uma antena para o tema. Desde que a Freguesia do Livro existe, vivo interessada no assunto. E que gosto de concidências, também não é novidade.

Pois bem, quando minha filha foi morar em Nova Iorque, há um ano atrás, no primeiro dia que estivemos lá, encontrei o mesmo livro que eu tinha acabado de “perder” no aeroporto de Guarulhos, só que em sua versão em inglês, história contada aqui. Marina pegou um dos livros que estavam em cima da tampa do lixo, método muito empregado pelos americanos para fazer livros circularem, no esquema Perca um Livro.

Esse ano, na escada perto da casa de Marina encontramos outro livro e lá deixamos aquele que ela tinha pego no ano passado, cumprindo o que ela havia escrito em um bilhete: “Obrigada pelo livro. Vou passá-lo adiante depois de ler. Ele vai continuar sua viagem!”, acompanhado por outros já lidos e que simplesmente não cabiam na mala.

O ciclo não pára, o livro vai parar em outras mãos. Quem sabe, na sua próxima viagem a Nova Iorque, você não o encontra em alguma escada?

E já que o assunto é NY e livros, aproveite para conhecer essa iniciativa que doa livros nos metrôs da cidade, para quem passa tantas horas no transporte público. A ideia é Relit NY: Read, Recycle, Repeat Literature In Transit (Leia, recicle e replique literatura em trânsito). Conheça aqui: Relit NY.


Aproveite e conheça também a Freguesia do Livro, um projeto que me tem dado muito trabalho e alegrias. Você também pode espalhar literatura por aí!

Você também vai gostar de….

Livros na Grécia

Recicla cultura

Livros e mágica

Anúncios

Read Full Post »

Como não podia deixar de ser, livros me acompanharam para Leros. Li dois enquanto estive lá.  E lá ficaram, para a biblioteca informal da casa, composta de livros de diversas procedências. Nas estantes descansam livros em grego, italiano, inglês, português, francês. Quem chega, deixa o livro que acabou de ler e se serve do seguinte. É bom porque a gente sempre encontra algo que interessa.

Livros em movimento. Meu trabalho na Freguesia do Livro. E tem também a ideia do restaurante de Franco, o Fontana di Trevi, que fica na praia de Laki, um dos portos de Leros, onde esse italiano mantém uma biblioteca para (que poético) velejadores do mundo inteiro que passam por lá. A tripulação ancora o barco, desce para uma boa macarronada e troca o livro. Assim, livremente. O livro pode ir para nunca mais voltar, zingrando mares e aventuras. Poético, novamente.

Franco começou a biblioteca há 3 anos com uns 10 livros. Hoje são uns 500. Os livros são deixados principalmente pelos velejadores que por ali passam. Ele calcula que o trânsito de livros deste bookcrossing chega a 3 ou 4 vezes sua atual biblioteca. Ou seja, 1500 a 2000 livros já foram levados e deixados ali!

Você também pode gostar de….

Porque não posso ler Martha

The book is on the street

Read Full Post »

E agora uma história boa, que só tenho coragem de contar porque minha irmã viajou comigo e me serve de testemunha. Sou fascinada por coincidências. Elas me comovem. Depois de falar longamente sobre perder um livro, campanha de livros viajantes, nada mais natural do que praticar essa conversa nessa viagem. Escolhi um livro antes de sair de casa, da Mary Higgins Clark, daqueles que a gente compra em aeroportos com o objetivo de embalar o sono em aviões e camas desconhecidas. Abandonei-o com a explicação “Esse livro nasceu para viajar. Leia e passe adiante” e deixei o dito em uma cadeira do saguão do aeroporto de Guarulhos. Até aqui, normal. Agora vem a parte boa: no primeiro dia, andando aqui em Nova Iorque na rua da casa de minha filha, com ela e minha irmã, o que encontramos? O mesmo livro, naturalmente em inglês, entre outros largados em uma escada. Perdidos. Prontos para serem achados por outras pessoas. Adorei. Marina escolheu um e deixou um bilhete de agradecimento. O que acham como coincidência?

 Nada melhor para conhecer uma cidade que andar molemente por ela. Agarrada em um guia sobre Nova York e feliz por estar em uma cidade onde ruas e avenidas têm números e localizar-se se torna algo possível até para mim, que nasci com GPS defeituoso.

Passeamos pelo bairro que acabo de eleger como meu preferido, o Green Village. Ruas charmosas, com paralelepípedos, cheias de lojas bacanas. Encontramos a Magnólia Bakery pelo caminho, confeitaria merecidamente famosa, porque o que provamos era delicioso.

Cupcake Red Velvet e uma tortinha de limão…

Caminhando mais um pouco (ou muito, segundo minha sedentária irmã), chegamos ao Little Italy, onde comemos, e em seguida ao Chinatown. Será que posso ser honesta aqui, sem ofender os conservadores? Chinatown não está entre meus lugares preferidos.

Voltando pelo Soho, mais lugares especiais e coisas que só vemos aqui, como academia para cachorros e uma loja de roupas infantis em que toda decoração é feita com coisas infantis muito antigas, como berços, carrinhos de madeira, cavalos de pau. Um charme.

Adiante, encontramos a The Best Chocolate Cake in the World, que agora tem filiais pelo Brasil e do qual a Marina falou aqui.

Terminei o dia sentada na frente das prateleiras com livros de artesanato na Barnes & Noble. Trouxe a Martha Stweart para casa e vou me divertir com ela por um bom tempo.

Você também pode gostar de…

Nossos livros inesquecíveis

Fotografias

Read Full Post »