Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Tempo’ Category

57f2e57df8400b6730acf879a5dc915e

Finitude é um troço complicado. Pensar no fim de coisas boas nunca agrada – uma festa, um encontro, um livro, um namoro, um doce, um casamento. A vida. Já outras a gente não vê a hora que acabem, como as palestras longas, os sermões intermináveis, tratamentos doloridos, relacionamentos arrastados.

De qualquer jeito, estamos falando de fim. Aquele, inexorável, que, hora ou outra vai chegar. Nesse caminhar nessa direção indiscutível, o que realmente me transtorna é tudo que ainda quero fazer e que sei, cada vez de maneira mais evidente, que não vai dar tempo. Não será possível ler todos os livros, conhecer todos os lugares, ver todos os filmes, experimentar todos os sabores, correr atrás de todos os sonhos. Ver rugas estriando no meu rosto quando sorrio não me dá metade dessa dor.

Ser seletivo, então? Aprimorar as escolhas, priorizar a qualidade? Nas filas de desejos e projetos, ordenar por grau de importância, ir atrás do que é melhor? Mas como saber se não experimentarmos tudo? Difícil, eu sei. Mas pequenas atitudes são determinantes: o livro não está correspondendo? Tchau, a fila anda. Filmes bons, comida boa, a companhia dos amigos escolhidos.

1509246_10202408413668964_758503027_n

No livro que estou lendo, o Clube do Filme (aliás, outra fonte de mini-angústias), um pai resolve que o filho adolescente pode deixar de ir à escola desde que assista os filmes que ele selecionar. A história é recheada de filmes que despertam uma vontade de ver e de novo me deixam com a sensação de que não vai dar… mas o foco é um trecho, quando ele explica que muitas coisas na vida devem ser vistas duas vezes, e que a segunda pode ser melhor que a primeira, porque nessa já sabemos o fim.

A vida é isso, não é? Um filme que sabemos como termina. Motivo para levá-la da melhor maneira possível, perdendo pouco tempo com o que pode ser evitado e aprofundando o contato com tudo que realmente importa. Olhe as suas filas de desejos e projetos, deixe a dor de lado e não perca tempo. Viva.

1924995_677918328942120_138716967_n

Imagem livros: Pinterest

Tag Previsão do Tempo: blog Luz de Luma

Você também pode gostar de…

DSCN0360Quem guarda, tem

Captura de Tela 2013-04-23 às 22.34.56Antes de morrer

moonwalkUm dia a menos

Read Full Post »

A gente está sempre ocupada. Sem tempo. Atrasada. Correndo atrás do prejuízo. Num corre-corre.

Tantas expressões que descrevem esse jeito comum de viver sem parar para nada…Triste, não acha? Afinal, essa é a vida que temos para viver e ela é agora, não daqui a pouco.

Está na hora de usarmos um pouco mais o vida mansa, o espera um pouco, o deixa a vida me levar, o quem sabe amanhã. A pausa. Se a gente não se der um tempo, quem vai dar?

Durante a pausa, dar uma boa pensada: sem tempo para quê? Saber priorizar é um dom e dar a devida importância ao que realmente importa redefine rumos.

20130829tirinhawatterson

Daqui.

Você também vai gostar de…

Captura de Tela 2013-04-21 às 22.15.56Tempo, tempo, tempo

Captura de Tela 2012-06-10 às 19.59.54Eu? Não.

Captura de Tela 2013-04-23 às 22.34.56Antes de morrer

Read Full Post »

moonwalk

Esse vídeo é incrível, a paisagem é sensacional e o rapaz é corajoso demais. Mas o que mais me impressionou foi o movimento da lua. E seu significado: cada vez que isso acontece, um dia ficou para trás.
A vida passa inexoravelmente. Recomenda-se vivê-la bem e fazer dela o melhor possível. E, de preferência, não só para si mesmo.

Quem bom que voltar é bom.

Você também pode gostar de…

cabeTudo aquilo que nunca fiz

Captura de Tela 2013-02-27 às 22.26.52Retribuir

DSC_1058Tempo para nada

Read Full Post »

Captura de Tela 2013-03-07 às 14.51.11

Pessoa ritualística que sou, como todas segundas-feiras, fui ao supermercado. Saquei minhas sacolas descartáveis do porta-malas, minha lista e fui fazer as compras, como sempre. Tudo igual.

Mas não estava tudo igual – a lista era menor, não precisei comprar iogurte de morango, nem leite integral, nem Chocomilk de caixinha, nem peito de peru fatiado bem fininho. Nem palmito ou goiabada.  Não precisei me preocupar em escolher as maçãs mais verdes nem as bananas pouco maduras. Pude comprar rúcula, escarola e o requeijão cremoso que eu prefiro.

Aí, na frente da banca de chuchus, veio a dor. Uma lágrima boba, que engoli bem rápido, perante a óbvia dificuldade em explicar emoções na seção de hortifruti. Doeu por dentro, então. No meio de toda aquela gente me vi, jovem, escolhendo as verduras e legumes para as primeiras papinhas, a maçã para raspar, a banana para amassar, os ingredientes para os mingaus, sanduíches da merenda escolar e negas malucas sem fim. Vi um loirinho esperneando no corredor de chocolates, uma menina de olhos verdes negociando uma goiaba vermelha. Me vi escolhendo as velas de tantos aniversários, os confeitos de tantos brigadeiros…

Meus filhos saíram de casa. Um para cada lado, por motivos diferentes. Uma volta um dia, o outro foi construir seu canto, a sua vida. Olho em volta e vejo uma casa que acaba de crescer, como num passe de mágica. Silenciosa, limpa e organizada. Chata. O tal do ninho vazio se realizou.

A comida sempre foi meu melhor meio de mimar, de demonstrar meu afeto e cuidados. Era escolhendo os ingredientes que eu juntava os elementos de minhas pequenas declarações de amor diárias. E foi na hora que percebi que parte do público para quem preparava meus bilhetes culinários não está mais aqui é que a dor apareceu. Bem na frente dos chuchus.

leo e marina

Você também pode gostar de…

Captura de Tela 2012-10-06 às 16.55.10Ninhos

DSC_1444Ninho vazio

Captura de Tela 2011-12-31 às 18.37.04Ciranda da boa lembrança

irmãosFilhos da mãe

Read Full Post »

Captura de Tela 2013-03-03 às 10.24.34

Preservo e exercito o hábito de não me habituar. Vez por outra me permito achar surpreendentes coisas que, de tanto que acontecem, quase se tornam banais. Mas qual é a banalidade de algo como um ser humano pequeno e completo sair de dentro de uma mulher? Como não se assombrar com as capacidades cerebrais, com os remédios que curam, as dores que passam, a pele que cicatriza? O incrível contido em um arco-íris no céu, nas sequoias americanas, em lagartas virando borboletas, a aurora boreal, os movimentos do girassol. Em gente que nasce com talento para compor uma 9a Sinfonia, para pintar uma Capela Sistina, para escrever um Hamlet. Avião, telefone, televisão, aspirador de pó, máquina de lavar, email, skype. Waze! Gente que faz bungee jump, pula de paraquedas, escala o Everest. O quanto os filhos crescem rápido. O tempo, como ele passa.

Assombro-me. Surpreendo-me. Minha pequena homenagem diária a essa coisa incrível que é o mundo em que vivemos.

PicMonkey Collage4

Fotos:
Dave Wilson Photography
Allison J. Bratt
Wilf41

Você também vai gostar de…

DSCN0521Paixões

Captura de Tela 2011-09-01 às 08.21.34Apetites

DSC_0455 1Marcas

Read Full Post »

Captura de Tela 2012-12-14 às 18.49.17

O calendário que sorteei entre os seguidores do blog foi para a Carla, de São Bernardo/SP. Logo vai receber seu calendário em casa.

Se você não ganhou, não fique triste, pois pode pedir o seu no site da Trio Estudio Design.

E aqui um vídeo que fala da passagem do tempo. Combina.

Um trabalho de Joe Bush (19), para o curso de cinema que fequentava, usando imagens colhidas na internet.

Você também pode gostar de…

DSCN2027Um chá

Captura de Tela 2012-12-14 às 18.42.25Cora Coralina

Read Full Post »

O calendário do qual falei aqui, como todo bom calendário, está com seus dias contados. 2012 se aproxima de seu fim, mas 2013 vem com outro calendário como aquele, com imagens de pontos turísticos curitibanos.

O mais bacana é que ele serviu de inspiração para uma arte da Suli K., estampada numa caixa para controles-remotos. Ficou lindo.

O calendário é da Trio Estudio Design e veio da Verônica, que tem um blog muito bacana. Bom 2013!

Você também pode gostar de…

Tempo para nada

Um segundo

Casa Lapostolle

Read Full Post »

O tempo passa, o tempo voa. A nós é dado aproveitar, valorizar, compartilhar e, acima de tudo, não desperdiçar esse bem precioso.

Pare, sente e pense: o que você está fazendo com seu tempo? O tempo do seu corpo, do seu dia, da sua vida? Que marcas você está deixando no rastro da sua passagem?

Você também vai gostar de…

Um segundo.

57f2e57df8400b6730acf879a5dc915e

O tempo, a fila, a dor

Tempo para nada

Read Full Post »

Você escapou de saber que agora existe a Freguesia do Livro? Que recebemos os livros que você quer (se não quer ainda, pense no assunto) doar e os encaminhamos para biblioteas comunitárias cadastradas em nosso site? Que temos uma página no Facebook que você pode curtir e divulgar tudo isso a seus amigos?

Enquanto você responde a todas essas perguntas, veja essa Bicicloteca que mostra o que pretendemos que aconteça por aqui: livros disponíveis em lugares improváveis.

E você também pode escolher, entre as alternativas abaixo, o modo como vai participar desse movimento literário, que vai tirar livros parados e fazê-los circular:

a) vou doar livros que já li e não vou ler mais

b) vou ser um Ponto de Coleta: receber livros doados e repassar para a Freguesia

c) vou espalhar essa ideia

d) vou criar uma biblioteca comunitária

e) acho que livros não devem ser doados (sé-rio??!!)

Participe de algum jeito, conto com você. Muitos conceitos estão envolvidos no simples ato de doar um livro: consumo consciente, acesso à cultura, educação e responsabilidade social. Tudo isso.

O tempo passa rápido. Livros parados em sua casa estão deixando de ser lidos por outras pessoas. Pense nisso.

Você também pode gostar de….

Acervos

Ter tanto

Amores literários

Read Full Post »

Não tenho tempo para nada! A gente vive dizendo isso, reclamando que não consegue fazer tudo que gostaria ou precisaria fazer, que o dia deveria ter 30 horas, que o tempo passa depressa demais….

O tempo é um bem precioso que nos é dado administrar e usufruir. Para que mais esse ano (que começa oficialmente logo após o carnaval) não passe voando, deixando outra vez aquela sensação de areia escoada pelos dedos, de ôpa-cadê-o-ano-que-estava-aqui,  é preciso baixar o giro, fazer tudo num ritmo mais lento, ou pelo menos mais pensado, estar mais presentes no que fazemos. Um tempo mais efetivamente vivido. Que dê espaço ao ócio, à preguiça, ao dolce far niente sem culpas, em doses terapêuticas e libertadoras.

Tem um texto que vira-e-mexe aparece na internet que é bem bacana e dele tiro a parte que me interessa: a gente precisa sair do automático para aproveitar nossos dias. Se você é uma das seis pessoas no mundo inteiro que ainda não leram esse texto, aproveite e leia aqui.

Não vai dar para fazer tanto? Paciência. Arranjar tempo para nada também é viver. Aliás, é fundamental.

Você também pode gostar de…

De repente, nada

Nova Iorque – Um dia no parque

Repouso na Toscana

Read Full Post »

Older Posts »