Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Morar em Curitiba’ Category

DSC_0103

Um espetáculo. Flores de cerâmica fincadas no gramado do Museu Oscar Niemeyer, um dos meus lugares favoritos aqui em Curitiba. Ficou lindo, ficou poético, uma experiência visual e um modelo da diversidade: 81 artistas viram flores no museu. Uma diferente da outra, do jeito que a vida gosta.

DSC_0075 DSC_0092 DSC_0119 DSC_0068 DSC_0110 DSC_0109 DSC_0076 DSC_0114 DSC_0083 DSC_0878

As flores integram uma das ações paralelas ao 4.º Salão Nacional de Cerâmica, que será aberto em Curitiba no próximo dia 17/12, na Casa Andrade Muricy. Coordenadora artística da iniciativa: Marilia Diaz.

Você também vai gostar de…

DSCN1318O MON por dentro

DSC_0782Quintal e cerâmicas

DSC_0806

Presenteie com artesanato

Read Full Post »

Poty Lazzarotto (1924-1998), junto com nomes como Paulo Leminski e Dalton Trevisan, é a cara de Curitiba. Nesse sábado, lendo o jornal no café da manhã, encontrei a notícia (que considerei um convite): passeio de ônibus pela cidade, vendo os murais de Poty, ciceroneada por uma especialista no assunto. Irresistível. Fui.

Saindo do já comentado Museu Oscar Niemeyer, onde  nos fins de semana acontece o ParCão, passeamos pela cidade em um confortável ônibus da Volvo (pausa para palmas aos envolvidos nessa iniciativa simples e eficiente).

O MON e o ParCão.

Visitamos 4 murais (são algo em torno de 40, só em Curitiba – tem também em Paris e na ONU em Nova Iorque).

Fachada do Teatro Guaíra.

Detalhe do mural do Teatro: Shakespeare.

Praça 19 de Dezembro. O primeiro mural: 1953

Largo da Ordem. Foto afanada do Circulando por Curitiba

Do outro lado da rua: Trav. Nestor de Castro.

Tudo Curitiba: pinhão, pinheiro, ligeirinho, guri, Farol do Saber, Jardim Botânico…

Vitrais na biblioteca da PUC. Lindos.

Largo da Ordem, agora em vidro.

Durante o trajeto, Daniela Pedroso, a craque em Poty, levantou uma questão que saiu junto comigo do passeio e ainda está aqui no meu bolso mental: o quanto nossas crianças hoje em dia aprendem através de estímulos visuais, mas ao mesmo tempo, o quanto não se atêm mais a detalhes. O bombardeio de informações nos faz quase incapazes de filtrar o que realmente importa. O reflexo disso, associado, é claro,  à pressa, ao trânsito e à cabeça pensando em 1000 coisas, é que passamos por tantos lugares e obras de arte em nossas ruas e praças e nem percebemos que elas estão ali. Que desperdício.

A gente devia andar pelas calçadas. A gente devia olhar em volta. A gente devia sentar em bancos de praças. Ouvi dizer que a vida já foi assim.

Mais informações sobre Poty, nesse post do Circulando por Curitiba. E no livro da Daniela Pedroso, Poty: Murais Curitibanos, à venda na loja do Museu Oscar Niemeyer.

Você também pode gostar de…

Minha Curitiba

O MON por dentro

Meu mar

Read Full Post »

Minha Curitiba
Era Schaffer, Ghignone e Matte Leão,
Era calma, segura e fria todas as manhãs.

Curitiba é parque, é pinheiro, é pinhão.
É Passeio Público, Guaíra e calçadão.
É verão com geada,
Quentão com gemada,
Inverno com calor,
Um casaquinho sempre a seu dispor.

É Lerner, é Giba, é Chaim,
É taxi laranja, Ligeirinho, Capão Raso-Xaxim.
É vina, é pastel, é empada do Pudim.

Curitiba de gente polaca, italiana, alemã,
do pierogi, da polenta e do strudell de maçã.
Curitiba de Leminski, Trevisan, Poty e Kolody,
Mora no coração e todos os dias,
De novo,
Me sorri.

Aceitei o convite do blog Circulando por Curitiba e contei o que a cidade é para mim. E a sua Curitiba? Você que é daqui ou que daqui levou uma impressão, comente e defina Curitiba com uma palavra, uma frase, um nome, um lugar, uma sensação, um jeito de ser. Quem sabe a gente arrisca mais algumas rimas bobas.

Veja mais Curitiba nesses links: Morar em Curitiba – Museu Oscar Niemeyer Morar em Curitiba – Morretes Morar em Curitiba – Gelada Morar em Curitiba – ParCão Morar em Curitiba – Casa da Bruxa Morar em Curitiba – Praça Espanha

Você também pode gostar de…

DSC03521aUm banquinho e um croquis

Nosso artesanato na Grécia

Mon por dentro

Read Full Post »

Daqui da longínqua Nova Iorque, entre os lugares mais interessantes do mundo, ainda há tempo para pensar na cidade onde nasci e de que tanto gosto.

Veja mais Curitiba nesses links:

Morar em Curitiba – Museu Oscar Niemeyer

Morar em Curitiba – Morretes

Morar em Curitiba – Gelada

Morar em Curitiba – ParCão

Morar em Curitiba – Casa da Bruxa

Morar em Curitiba – Praça Espanha

Morar em Curitiba – O MON por dentro

Você também pode gostar de….

Captura de Tela 2012-05-18 às 23.41.00

Minha Curitiba

Santa Catarina e abobrinhas

Roma – Dicas de romano

Read Full Post »

Curitiba é cheia de parques, que bom! Tem para todos os gostos, objetivos, temas. Para caminhar, para deitar na grama, para ver a cidade do alto. Longe, perto, ao lado de casa. Basta escolher. Quando quero caminhar (não se deixe enganar, não acontece com muita frequência), prefiro o São Lourenço, por ser um dos mais perto de casa. E porque é lindo.

Academia ao ar livre. Tem em todos os parques e praças de Curitiba.

No Parque São Lourenço tem frases dos nossos poetas.

Ele sempre soube.

Tem espaço para leitura.

E o mais bacana: é lá que fica o Centro de Criatividade de Curitiba. Muitas artes e artistas de nossa cidade começam ali.

E o Atelier de Escultura.

Para saber mais sobre o parque, entre aqui.

Mais Morar em Curitiba em:

Morar em Curitiba – Museu Oscar Niemeyer

Morar em Curitiba – Morretes

Morar em Curitiba – Gelada

Morar em Curitiba – ParCão

Morar em Curitiba – Casa da Bruxa

Morar em Curitiba – Praça Espanha

Você também pode gostar de…

Nova Iorque – Um dia no parque

DSC04505

Uma vilinha

Inspirei-me

Read Full Post »

Já falei aqui do Museu Oscar Niemeyer.

O MON merece um livro (que já existe, é claro, na livraria no museu), e um postzinho num blog nem pode ter a pretensão de quantificar a magnitude dessa construção, dessa arquitetura que impressiona quem passa por perto.

Uma das características do Museu é este vão livre, o segundo maior do Brasil.

As imagens do Olho, visto de baixo, impressionam.

Bom mesmo é quando algum motivo me leva para dentro do Museu do Olho e dessa vez foi a exposição Pequenas e Grandes Histórias de quem tem o que dizer, que recomendo. Perfis de pessoas que fazem parte da história do Paraná atual. Belos textos, belas fotografias, fiquei feliz por ter ido.

O acesso à torre do Olho passa por esse túnel meio lunático.

Pelas fotos, percebe-se que não havia sol. Comunico então que, quanto ao verão/2012, Curitiba resolveu que não vai aderir. Os dias são cinzas, a temperatura é baixa, a chuva aparece com frequência. Resolvemos adiantar o calendário para o outono, ao que tudo indica.

Aqui imagens feitas em junho. Para provar que nossa cidade tem sol. E por-do-sol.

Veja nesses links mais Curitiba:

Morar em Curitiba – Museu Oscar Niemeyer

Morar em Curitiba – Morretes

Morar em Curitiba – Gelada

Morar em Curitiba – ParCão

Morar em Curitiba – Casa da Bruxa

Morar em Curitiba – Praça Espanha

Você também pode gostar de…

Nova Iorque – Altos e baixos

Contando os dias em Curitiba

Read Full Post »

A primeira vez que o vi foi na casa da minha mãe. Meu pai, muito antenado, comprou um exemplar na banca de revistas. Como sou apaixonada por Curitiba e por desenho, dá para imaginar que me encantei com a ideia. Fui atrás do meu e agora já tenho. Aliás, acho que esse calendário será um bom presente de Natal. Ou de Ano Novo. Com os desejos de um super 2012!

Nele aparecem ícones do turismo curitibano, como o Jardim Botânico, a Catedral, o Bondinho, o Museu Oscar Niemeyer, o Bosque Alemão, do qual já falei aqui. Para saber mais sobre o calendário entre em Trio Estudio Design.

Aproveito para mostrar aqui e agradecer a Zélia Bettega a linda caixa de mosaico que ganhei. Combinou perfeitamente com minha sala azul!

Você também vai gostar de…

1924995_677918328942120_138716967_n

O tempo, a fila, a dor

Nizza mosaico

Sonho coletivo

Read Full Post »

Cada morador vê em sua cidade seus cantos preferidos. Aqui em casa temos os nossos, aqueles em que a gente gosta de ir em dias ensolarados, outros que combinam com uma chuvinha e os perfeitos para frequentar com amigos. Curitiba se dedica há algum tempo a revitalizar alguns bairros ou ruas, muitas vezes quase ressuscitando lugares com novas calçadas, iluminação, promovendo eventos e facilitando acessos.

A Praça Espanha deve seu novo vigor principalmente ao esforço dos moradores e comerciantes da região, que se mobilizaram e colocaram a praça de volta no mapa curitibano.

Gosto de ir lá. Comidinhas, antiguidades, banco de praça, biblioteca. Combinação perfeita.

Farol do Saber

Feira de Antiguidades. Sempre de olho em um cálice para minha coleção.

Para ver mais Curitiba:

Morar em Curitiba – Museu Oscar Niemeyer

Morar em Curitiba – Morretes

Morar em Curitiba – Gelada

Morar em Curitiba – ParCão

Morar em Curitiba – Casa da Bruxa

Você também pode gostar de…

Captura de Tela 2012-05-18 às 23.41.00

Minha Curitiba

Cor de pinhão

Madeira com história

Read Full Post »

Curitiba é conhecida pela quantidade e qualidade de seus parques. E são muitos, mesmo, e um é especial, o Bosque do Alemão. Além de estar imerso em uma floresta com grandes escadarias e estruturas de madeira, ele tem um caminho dentro do bosque onde andando, de tempos em tempos, você encontra painéis de azulejos que contam a história de Hänzel und Gretel (João e Maria). Bem no coração dessa pequena floresta está a Casa da Bruxa, que no nosso caso é uma simpática velhinha que, ao invés de comer criancinhas, prefere contar histórias para elas. A casa abriga uma biblioteca onde meninos e meninas podem deixar a imaginação voar, ao pé de uma lareira acesa, quando o frio por aqui aperta.

Estruturas de madeira e vista de Curitiba.

João e Maria nos azulejos. Dá vontade de deixar pedrinhas marcando o caminho.

Casa de Bruxa. Boa, porque conta história!

Tem bolacha da D. Erika no Bosque!

Falando em crianças e livros, me lembrei de mim, criança, e da minha relação com livros. Dá pra fazer uma lista das coisas que esse simples pensamento me traz:

1. as coleções da Condessa de Sègur e da Laura Ingalls que embalaram minhas fantasias de menina. Colonização americana e governantas faziam parte do meu imaginário.

2.  minhas caminhadas pelos corredores do Sion, feliz feito um cabrito, mas controlada nos passos como a educação rígida exigia (não me matou. Será que não é disso que nossos filhos sentem falta?). Lá ia eu pegar mais um livro para encher a minha ficha de biblioteca.

3. na casa de meus avós, em Blumenau, nas frias férias de julho, a alegria que sentia ao encontrar as coleções de Condensados da Seleções de meu tio Werner, livros em português! Meu avô era um leitor que levava a coisa a sério, mas só lia (e falava) em alemão.

E falando em crianças e livros, também me veio o filme You’ve Got Mail, que tem essa biblioteca:

E essa cena:

Essa conversa sobre livros e crianças tem um objetivo, você já deve ter percebido, certo? O Dia das Crianças está chegando e esse é um excelente momento para você analisar livros infantis que tiver em casa. Ou arrecadar com pessoas que conheça. E gibis, sempre! E não precisa ser só livro infantil, pois hoje temos diversos destinos para os livros que você pode “soltar” de suas estantes. Chega de prender livros. Eles estão loucos para seguir viagem.

Se for de Curitiba, encaminhe-os para nós, para a Freguesia do Livro.  Se for de algum outro lugar, procure iniciativas como a nossa, existe muita gente incentivando a leitura por aí. Para saber mais sobre esse trabalho: www.freguesiadolivro.com.br

Três coisinhas para encerrar esse post compridíssimo:

1. quando fui tirar as fotos no Bosque do Alemão, vi um taxi parado na frente do parque e seu motorista catando amoras! Aproveitei também!

2.  Onde gosto de ler: A a combinação cama-abajour-livro para mim é imbatível, e com um friozinho lá fora, então, sensacional. Ok, a cama pode ser substituída por sofá, rede, toalha na areia, cadeira macia, colo. Ponto de ônibus, saguão de aeroporto, assento de avião, sala de espera de dentista, quem se importa. Relação sem endereço, ela acontece em qualquer lugar.

E você, onde gosta de ler? Conte-me, por favor.

3. Agora chega! Mais uma cena de um filme que gosto e que tem toda a história relacionada a um livro que precisa ser encontrado para que tudo dê muito certo. E o livro é o Nos Tempos do Amor e do Cólera, de Gabriel García Marquez. Sensacional.

Para saber mais sobre o Bosque do Alemão, visite o blog Circulando por Curitiba.

Você também pode gostar de…

DSC_9545

Jabuticaba

Perca um livro

Antes dos livros

Read Full Post »

Atrás do já mencionado Museu Oscar Niemeyer existe um espaço para lá de democrático: o Parcão. É um gramado grande, nas beiradas do Parque do Papa (essa cidade tem parque para tudo, ainda bem), onde cães de todas as raças e seus donos passeiam pacificamente. Entre rosnados e lambidas, regras de higiene e convivência mantêm o clima super agradável. Tomei emprestadas do Vinícius Rosnoski essas fotos que mostram a delícia que é.

Eu também tenho uma gracinha em casa. Mas ela não frequenta o Parcão porque tem certeza de que não é um cachorro, mas sim uma pessoa bem baixinha…

Luna, a pequena.

Continue passeando por Curitiba:

Morar em Curitiba – Museu Oscar Niemeyer

Morar em Curitiba – Morretes

Morar em Curitiba – Gelada

Morar em Curitiba – Casa da Bruxa

Morar em Curitiba – Praça Espanha

Morar em Curitiba – O MON por dentro

Você também vai gostar de…

Gatos gregos

Pomar

Morretes

Read Full Post »

Older Posts »