Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Marcas’ Category

O quanto eu gosto que me enrosco em objetos com história já deve ter ficado bem evidente por aqui. Aprecio as coisas que já fizeram parte da vida de alguém. Nesse gosto se misturam meu empenho pelo consumo consciente (aquelas coisas continuam sendo úteis, seu uso evitou a compra de um novo), pela preservação de nossas memórias (olhar para um objeto e lembrar de alguém é um jeito de continuar presente) e pelo belo (coisas que duram nas trajetórias de tantas vidas são belas, de algum jeito).

DSC_0327c

Em nome disso, depois que conheci os pratos rendados da Rosana, fiquei de olho em umas toalhinhas de renda que encontrei na casa em Leros, que, segundo minha sogra, foram bordadas por sua mãe e tias, lá nos idos dos anos 1930. Um tesouro que quis eternizar em um prato.

DSC_0346 DSC_0335

Não é lindo? Rosana, que a essa altura já virou uma expert em toalhas bordadas, me explicou que essa renda se chama Renascença, feita com base em fitas que criam um desenho e são unidas por bordados bem elaborados. Se quiser saber mais, veja esse artigo da Casa Abril.

DSC_0350

Os pratos ficaram lindos e foi difícil escolher apenas um. Em breve, volto para buscar outro!

Contato: rosanaerci@gmail.com Atelier Espaço 8 – R. Cons. Laurindo 80A/lj 05 Curitiba/PR (41)9656-2864

DSC_0326b DSC04098a DSC04094 DSC04095  

Você também vai gostar de…

DSCN0380Prato e amêndoas

Captura de Tela 2012-11-17 às 11.26.51Registros

Captura de Tela 2011-12-31 às 18.39.27Ciranda da boa lembrança

Read Full Post »

Na nossa casa em Leros existe um livro que convida nossos hóspedes a deixar algo escrito contando o que a casa trouxe para eles e a marca que deixaram durante sua estadia. Junior pintou muros e Ângela pintou uma cadeira. Tudo mostrado aqui.

Mas o maior produtor de coisas interessantes é meu cunhado Fabrizio, um escritor e marceneiro aprisionados em um entediante emprego administrativo em Roma. Ele escreve fábulas para crianças e sempre que sobra um tempinho, cria peças com madeira. Em Leros aproveita tudo o que encontra pela frente, pedaços de madeira, as janelas que foram trocadas na casa, móveis abandonados pela rua. Como madeira é comigo mesmo, nos divertimos nas nossas férias.

Antigas janelas da cozinha.

Virou um lindo armarinho embaixo da janela do quarto. Ideia e obra de Fabrizio.

Junior pintou muros.

Ângela e eu pintamos cadeiras que viraram mesinhas de cabeceira. Encontradas na rua.

O espelho que a Kamo e Emília pintaram e que eu ganhei da Raquel, agora enfeita a entrada da casa.

A bandeja que pintei aqui e levei para lá e que carrega delícias do café da manhã.

Uma tábua antiga dando sopa… virou cabideiro. Por Fabrizio.

E para quem ficou interessado nos versos de Fabrizio no livros de visitas, aqui vai a tradução (livre, bem livre): Bem-vindo a essa casa, Você que de tão longe vem, Agora tem uma missão, Pode responder como lhe convêm. Diga-me quem você é, O que faz e de onde vem, A tua história muito nos agrada E meu coração encherá também. Sou uma casa antiga e distante, Que se enriquece com todos vós. Diga-me o que trazes do teu lar, Sejam pensamentos ou “bois”. E assim, antes do seu retorno, Diga-me o que me deixou. A tua marca ficará comigo para sempre, mesmo se apenas uma pedra você pintou. Fabrizio tem um blog onde mostra todo o processo da construção do armário: www.fabbroscrivano.blogspot.com

Você também pode gostar de…

Nosso artesanato na Grécia

Banquinho de praia

Read Full Post »

O tempo passa, o tempo voa. A nós é dado aproveitar, valorizar, compartilhar e, acima de tudo, não desperdiçar esse bem precioso.

Pare, sente e pense: o que você está fazendo com seu tempo? O tempo do seu corpo, do seu dia, da sua vida? Que marcas você está deixando no rastro da sua passagem?

Você também vai gostar de…

Um segundo.

57f2e57df8400b6730acf879a5dc915e

O tempo, a fila, a dor

Tempo para nada

Read Full Post »

No final desse post você vai ver que venho falando muito de livros. Que gosto, que leio, que espalho.

Mas agora a coisa ficou mais séria. Nasce hoje a Freguesia do Livro como um movimento que faz livros circularem, um movimento lítero-libertário.

Estamos recebendo e distribuindo livros para pequenas bibliotecas livres, informais, comunitárias de Curitiba e região metropolitana.

O bom é que a Freguesia do Livro te oferece várias formas de participar:

– analisando seu acervo de livros com um novo olhar, com desapego e generosidade, para permitir que levem lazer e informação a outros leitores.

– se você conhece ou está diretamente envolvido com editoras e livrarias que possam ter estoques sem destino certo, conte para gente!

– a Freguesia do Livro tem um blog que está sendo lançado hoje. Você pode compartilhar o blog e a ideia com amigos. O desapego aos livros é tema de conversas longas e levemente insistentes. Até há pouco tempo, ter livros em estantes enormes era importante.

– se você também tem um blog, pode divulgar nosso selo. Lembrando que nosso foco não é apenas a doação de livros e a formação de pequenas bibliotecas comunitárias, mas também a multiplicação do projeto em outras cidades do Brasil.

– você pode se tornar Freguês: doar livros ou ser um Ponto de Coleta, ou criar um biblioteca livre em algum lugar improvável.

– você pode ser um apoiador do projeto e ter sua marca ou blog divulgada no blog da Freguesia. Editoras, livrarias, bancas de revista, blogs, pontos comerciais que abrigarem pequenas bibliotecas ou receberem doações de livros terão seus nomes associados a um movimento que dá acesso à cultura.

Venha fazer parte!

Freguesia do Livro

 Os posts que falam sobre livros:

9a9adfec65ad5a997aed4f9e2d2dcc31

Bons motivos para doar livros

Livros em movimento

Nossos livros inesquecíveis

Quadrinhos

Livros e leituras

Perca um livro

Ler – Por que sim?

Quando nasce um leitor?

Acervos

Read Full Post »

Sou meio repetitiva, eu sei. Meus assuntos favoritos são sacolas plásticas, produção assustadora de lixo, o respeito à diversidade e às habilidades de cada um, a inclusão de pessoas com deficiência, o compartilhamento de leituras, a capacidade de escolha de sermos quem e como somos.

Essas teclas tão batidas me caracterizam, são as memórias que vou deixar para quem me conhecer. As marcas palpáveis estão aí, carimbos que já deixei: meus lindos filhos, a educação e oportunidades que receberam, dois livros e tantas caixas e bancos pintados, espalhados por aí e que vão durar muito mais do que eu.

Minhas melhores marcas.

Caixas. Muitas caixas.

Me perdoem se estou parecendo fatalista, mas tudo isso é uma volta enorme para retomar a tecla preferida: podemos escolher como queremos ser lembrados. Vou te deixar aí pensando nas memórias que está deixando e vendo suas alternativas. Não é teste, não tem pontos no final. É apenas você, exercendo seu direito de escolha e de decidir qual a marca que vai deixar:

(  ) Otimista  (  ) Pessimista  (  ) Bem-humorado  (  ) Mal-humorado  (  ) Ativo  (  ) Passivo  (  ) Egoísta  (  ) Altruísta  (  ) Acolhedor  (  ) Crítico  (  ) Beijo e abraço   (  ) Aperto de mão  (  ) Sorriso fácil  (  ) Olhar desconfiado  (  ) Me dá um limão que eu faço uma limonada  (  ) Tudo de ruim acontece comigo  (  ) Da vida nada se leva  (  ) Quero mais e mais  (  ) O que faço serve de exemplo (  ) Vou ficar na vaga de deficientes só um minutinho…

Uma marca que tenho certeza que vou deixar é minha Nêga Maluca, receita da minha Tia Dóris, e que fez parte da história de meus filhos e todos os seus amigos que partilharam lanches conosco. Aqui está ela:

A receita está  nesse vídeo, da minha filha Marina no Confissões de Uma Doceira Amadora:

Nêga Maluca

2 xícaras de açúcar

2 xícaras de farinha de trigo

1 xícara de chocolate em pó (eu misturo Nescau e Chocolate do Padre)

1 colher de chá de fermento em pó

1 pitada de sal

3 ovos

1 xícara de água morna

1 xícara de óleo de canola

Peneirar os secos.

Pré-aquecer o forno. Em uma tigela, bater os ovos por uns 5 minutos com batedeira, adicionar a água e logo em seguida o óleo de canola. Ir colocando os secos (peneirados) aos poucos e continua batendo com a batedeira. Colocar em assadeira retangular média, untada com óleo. Assar em forno médio por 20 minutos e em forno baixo por mais 10 minutos. Depois de esfriar cobrir com a calda de chocolate.

Calda de Chocolate

1 copo de leite

4 colheres de sopa de açúcar

5 colheres de sopa de chocolate em pó (Nescau e do Padre)

1 1/2 colher de sopa de margarina

1 pitada de sal

Coloca tudo em uma panela e cozinha por uns 10 minutos em fogo médio, até que engrosse um pouco.

Mais marcas pessoais em…

IMG_2643

Grécia 2014

Coleções

Micos Ecológicos

Imagem de pegadas e carimbos: http://www.weheartit.com

Read Full Post »

“Quantas vezes já falei? Casca de banana é lixo or-gâ-ni-co! Não vai na lata dos recicláveis”!

A desilusão doméstica ao menos me consola: se não consigo conscientizar nem os que vivem comigo na mesma casa há mais de 20 anos, como posso pretender que as pessoas que abordo impulsivamente nas minhas lidas cotidianas, entendam?

Tenho feito certos papéis… Micos, diriam meus filhos.  Saio da panificadora equilibrando torres de pacote de pão francês, copo de requeijão, bandejas de frios e bolo de cenoura. Poucas probabilidades de que aterrisem em ordem no assento do carro, onde vão se misturar aos DVDs que peguei na locadora, aos sapatos que busquei do conserto e à caixa do analgésico que vai salvar minha noite. Tudo rigorosamente sem sacola, depois da repetida e repetida conversa:

– Pergunta se eu quero.

– O que, minha senhora?

– Me pergunta se preciso dessa sacola enorme para levar essa minúscula caixinha de comprimidos.

– É mesmo…

Engato o discursinho meio desgastado dos plásticos que vão acabar na boca das focas da Groenlândia e vejo que consegui trazer uma novidade para o rapaz. Saio orgulhosa da farmácia, sentindo que conscientizei um vizinho dessa minha casa chamada planeta.

Semana seguinte, a dor de cabeça volta, retorno à farmácia, procuro meu vendedor-conscientizado  e… Pimba! Sacola outra vez!

Aí chega a hora de pensar: vale a pena ser eco-chata? Ficar conhecida e ser lembrada para todo o sempre como aquela que acha o fim do mundo o clube não separar o lixo e que acaba sugerindo um latão de recicláveis no vestiário? Que doa tudo que não usa mais, desapega geral? A que não incentiva o acúmulo e está sempre incomodando as pessoas para doarem livros e mais livros? A que insiste em recuperar, consertar, fazer ressucitação boca-a-boca em aparelhos domésticos e eletrônicos por não querer aumentar ainda mais a montanha mundial de descartes de vitrolas, televisões, toca-fitas, celulares, máquinas de escrever, Gordinis, DKVs e todas aquelas coisas projetadas para durar pouco?

Que eu tenho coragem, isso tenho. Na festa de aniversário da minha irmã, na nossa chácara, acontecia um belo churrasco. Copos descartáveis, latinhas de cerveja, garrafas pet, asinhas de frango e restos de maionese de batata atirados em vala comum, um formidável latão de lixo, ao alcance de todos. Até que me segurei… Mas não por muito tempo. Consegui outro latão que coloquei ao lado do primeiro e anunciei: “Pessoal, este é para os recicláveis!”. Um guaxinim teria despertado menos olhares perplexos, inclusive o da minha irmã, onde estava escrito: “Lá vem aquela chatice outra vez.” Em 10 minutos, tínhamos dois latões- valas comuns onde tudo coabitava. Enfiei minha viola no saco (de pano) e desisti.

Aliás, sacolas de pano são outro assunto delicado. Demora para acostumar, elas sempre estão: a) em casa quando você chega no mercado; b) no carro, quando você está passando as compras  no caixa. Agora que finalmente me acostumei, euzinha, sozinha, economizo uma média de 40 sacolas plásticas (aquelas das focas da Groenlândia, lembra?) por semana, ao carregar minhas compras de supermercado e afins em sacolas de pano das mais diversas procedências. Então o que explica o fato de hoje, uma segunda-feira, dia oficial da reposição do estoque doméstico, eu ser o único ser usando estas simpáticas sacolas retornáveis no super-mercado inteiro? Será que as pessoas não sabem? Será que esquecem? Será que acham que não fica bem? O negócio seria entrar na moda. Se fosse moda, quem sabe?

Uma coisa  aprendi: posso escolher como vou ser lembrada quando não estiver mais por aqui. Sei que já me acham assim, assim, pelas minhas manias esquisitas de voluntariado e comportamentos ecológicos, essa crença absurda de que eu posso fazer uma diferença. Mas, mesmo assim, decidi. Prefiro que me citem como alguém que travava suas pequenas batalhas diárias em nome de um ambiente mais limpo e de um futuro sustentável, do que aquela que cozinhava o melhor camarão na moranga do bairro. A receita do camarão eu posso deixar para a posteridade. Gente que vai cuidar melhor do ambiente, também.

Mais ideias em…

DSC02571

Lixo na Grécia

DSCN1524

Ter tanto 

Ordem- caixas de madeira

Read Full Post »