Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Doces’ Category

As fadas continuam voando por aqui e dessa vez, ao invés de pousar em banquinhos, pousaram na caixa da Anna. Ideia da avó, que queria ter em sua casa uma caixa de criações, para as visitas da neta arteira em potencial, recheada de papeis coloridos, lápis de cor, cola, glitter, tesourinha, carimbos, adesivos e canetinhas (não sei vocês, mas eu também quero!). Foi presente de Natal, mas não deu bem certo… Anna decidiu confiscar a caixa e levar para a própria casa, nada de ver aquilo só de vez em quando. Resultado: avó Tânia viu a sua ideia para distrair a neta bater asas…

Amoras? Combinam com fadas? Vamos imaginar que sim. Então, aqui vai uma receita de Panna Cotta com Calda de Amoras (trazidas pela minha irmã da casa do meu cunhado). Panna Cotta é um pudinzinho bem simples e típico da Itália.

Panna Cotta

Ingredientes
500 ml de creme de mesa fresco (nata) líquida – acho que também deve dar para fazer com a cremosa, mas fiz com a líquida.
150 gr. açúcar
1 fava de baunilha (ou 1 colher de chá de essência de baunilha – melhor a fava, mas se não houver…)
3 colheres de chá de gelatina em pó incolor (se preferir menos firme, reduza um pouco a quantidade de gelatina).

Modo de fazer: abra delicadamente a fava de baunilha no sentido do comprimento. Umedeça a gelatina em pó com 2 colheres de sopa de água. Leve ao fogo uma panela com o creme, o açúcar e a baunilha e deixe chegar perto de ferver. Desligue o fogo e adicione a gelatina umedecida e mexa até dissolver bem. Se preferir, passe em peneira fina para prevenir pequenos grumos. Coloque em forminhas (usei as de cupcake da Marina – 6 forminhas) e deixe na geladeira por pelo menos 6 horas. Desenforme no prato em que vai servir passando uma faquinha nas laterais e cubra com a calda de amoras (ou outra de frutas vermelhas, como morango, framboesa, etc.). Uma receita de calda de morango está aqui.

Calda de Amora

Ingredientes
1/2 kg de amoras lavadas
1/2 xícara de açúcar
1/4 de xícara de água.

Modo de fazer: leve o açúcar e a água em uma panela para o fogo, até chegar quase em ponto de fio. Adicione as amoras e deixe levantar fervura. Se preferir as frutinhas mais macias, deixe cozinhar mais um pouco. Pronto.


Você também pode gostar de…

DSC04665

Familiaridades

Fadas no banquinho

Pratos e pudim

Read Full Post »

Há muitos anos, em Blumenau, conheci um doce delicioso, feito pela minha tia Dóris. Pisquei meus olhinhos azuis e encantadores e ganhei a receita. Que virou símbolo de festas de fim de ano na família. Ainda dá tempo. Recomendo.

Gelado de Nozes

Ingredientes

6 ovos (6 claras – 3 gemas)
1 pacote de bolacha Maria
150 gr. de nozes picadas grosseiramente
1 lata (350 gr) de doce de leite cremoso ou em ponto de corte
400 gr. creme de leite fresco
7 colheres de sopa de açúcar

Modo de fazer

Caramelize as nozes (explicação aqui).
Triture as bolachas em um liquidificador ou processador até ficar um pó fino e liso. Melhor bater aos poucos, pequenas porções de bolachas.
Bater as claras em neve, adicionando 2 colheres de açúcar no final.
Em outra tigela, bater o creme de leite para chantilly, com as 5 colheres de açúcar restantes e uma pitada de açúcar de baunilha.
Em uma terceira tigela, bater o doce de leite com as gemas, formando um creme homogêneo.
Unir o chantilly e as claras batidas, formando um creme branco.

Montar as camadas:
1. metade do creme branco (chantilly + claras)
2. pó de bolacha Maria
3. nozes caramelizadas
4. creme de doce de leite
5. creme branco
6. termina com o pó de bolacha Maria.
* Enfeitar com nozes inteiras ou um pouco das nozes caramelizadas.
Coloque no congelador e retire um pouco antes de servir. Pode ser feito dias antes da festa, o que facilita a trabalheira do dia.

* Se preferir, pode substituir as nozes por amêndoas caramelizadas. Vai virar um Gelado de Amêndoas, mas tudo bem.

Natal já passou, mas é sempre bom ver que presentes têm diferentes significados.

Mais boas ideias  em…

DSCN2663

Ninhos

Gelato em Roma

DSC02575

Figos na Grécia

Read Full Post »

Para quem não sabe, minha filha está fazendo um longo curso em Nova Iorque. Dito isso, é natural imaginar que a distância gera muita saudade, no nosso caso semi-solucionada por frequentes conversas no skype.

Já para minha mãe, avó da Marina e sempre muito presente na vida da neta, a saudade é mais complicada. Mesmo sendo uma mulher que não se rendeu à evolução avassaladora da tecnologia – opera e-mails com agilidade, edita fotos no computador, grava filmes na Tv a cabo – skype e facebook são o seu limite. Para esses dois, não tem jeito, faz bico e birra. Assim, falar com Marina só através do velho e combalido telefone. Confeiteiras de primeira, trocas de receitas são frequentes entre avó e neta que têm os doces em comum. Dia desses, Marina queria notícias sobre um Apffelstrudel, já que passaria o dia colhendo maçãs em um… (como se chama uma reunião de macieiras? – não vou entrar no Google, exercitemos nossos neurônios).

Longa introdução para chegar ao ponto: ambos, avô e avó, ao começar a conversa internacional com a neta longínqua, não quiseram saber dos encantos de Nova Iorque, dos doces que aprendeu, se já tinha caído neve; apenas fizeram a mesma pergunta: “Marina, você tá feliz?” Ela achou uma graça e me contou. E eu fiquei pensando nisso, o quanto estar feliz é algo instável, condição flutuante que, dependendo da frequência em que acontece em uma situação, um dia, um ano, te dá a medida da tal felicidade. Você está feliz lendo esse texto? Esteve feliz enquanto cozinhava o almoço, buscava os filhos na escola, esperava o ônibus, conversava com um amigo? Ou a alegria tomou conta de você quando sentiu aquele perfume de framboesa que lembrou da sua bisavó, ou quando pensou que sua filha está construindo o futuro dela, quando lembrou do seu filho, ainda pequeno, olhando preocupado para um besouro esmagado e dizendo “quem matô-lo?”. Pequenos tijolos de felicidade que a gente vai empilhando vida afora.

Alcançar a felicidade é algo tão subjetivo quanto utópico e fugidio, estava aqui e agora não está mais. Fazer o possível para estar feliz por mais vezes em um dia, já é um bom começo. Para isso, a gente precisa se fazer essa pergunta de vez em quando, assim de supetão, pegando a si mesmo desprevenido: “Peraí, você tá feliz agora?”. As respostas vão te dar uma ideia do nível de satisfação do cliente, que no caso é você mesmo.

O passo seguinte é bem Pão de Açucar: o que faz você feliz? Vai atrás. A vida é muito curta para ficar deixando para depois. O depois vem tão rápido que… Viu, já passou!

Assim, desejo a todos um Feliz Natal.

E aqui uma receita que Marina aprendeu com sua avó. Clique para ver como se faz. Saudades, filha.

Papo de anjo: receita passada de avó para neta.

Imagens (com exceção à do Papo de Anjo) colhidas no We Heart It.

Você também vai gostar de…

Fazer o que gosta – todos os dias

Paixões

Casa cheia


Read Full Post »

Natal chegando, deixo aqui dois presentes.

Um, é uma sugestão para homens presentearem mulheres: cozinhe. Nada mais apaixonante do que um homem cozinhando pra gente. Encontrei no Manga com Pimenta.

O outro, é de mim para vocês. Um vídeo delicado e delicioso, que recebi da Abram a Boca e Fechem os Olhos, blog português cheio de ideias boas.

Você também pode gostar de…

Cor, cor, cor

Presentes para homens

Read Full Post »


Ou vermelho lembra Natal? O certo é que nossa decoração natalina é verde e vermelha, herança dos países que estão vivendo o inverno nessa época e onde o Natal combina bem com as roupas quentíssimas do Papai Noel, com os flocos de neve que enfeitam pinheiros, com as meias penduradas em lareiras, e tudo faz mais sentido.

Nós, dos trópicos, deveríamos valorizar um Natal verde e azul, mas fazer o quê?

Por aqui, a cor vermelha aparece muito nas coisas que fazemos e essa é uma boa hora para uma revisão.

As peças de cerâmica que aparecem aqui são da Raquel.
E por falar em vermelho, nada melhor que uma receita com ameixas… vermelhas. A receita é do Simplesmente Delícia e fiz em prato de cerâmica da Magda, da Ekozinha. Apesar de não pedir na receita, adicionei açúcar mascavo nas ameixas por minha conta. Ficou azedinho, do jeito que eu gosto. Já marido e filho fizeram um pouco de caretas…

Crumble de Ameixas Vermelhas

Ingredientes
1 quilo de ameixas (pesadas com caroço)
¼ copo de amêndoas inteiras*
¾ copo de farinha de trigo
100 gramas de manteiga sem sal, temperatura ambiente
½ copo de açúcar
1pítada de sal
¼ de copo de amêndoas fatiadas (opcional)
* comprei farinha de amêndoas no Mercado Municipal

Modo de preparo

1. Unte um pirex pequeno (26 cm x 18 cm) com manteiga e reserve. Pre-aqueça o forno a 180°C. Lave as ameixas e corte as para retirar os caroços. Descarte os caroços e ponha todas as ameixas partidas no pirex espalhando-as.
2. Processe as amêndoas inteiras até formar uma farinha grossa. Cuidado para não processar demais pois a farinha começa a ficar oleosa. Ponha a farinha de amêndoas numa vasilha com a farinha de trigo, a manteiga, o açúcar e o sal. Amasse com um garfo até não haver mais traças de manteiga mas não deixa formar uma massa compacta. Queremos um farelo grosso.
3. Espalhe a farinha de amêndoas por cima das ameixas sem apertar. Termine com as amêndoas fatiadas. Se você não tiver amêndoas fatiadas pode picar amêndoas inteiras e jogar por cima. Leve ao forno por 45-50 minutos ou até ficar dourado. Se começar a queimar , cubra com papel alumínio e prossiga até a farinha estar dourada. Sirva morno. Com uma bola de sorvete…

Você também pode gostar de…

Prato e amêndoas – 3

DSC_0150a

Centro de madeira rústico

Captura de Tela 2012-12-29 às 19.42.08

Natal e bye!

Read Full Post »

Era uma vez três irmãs. Viviam em uma casa onde o ar tinha sempre o melhor cheiro do mundo, o de pão fresquinho saindo do forno. Foi com pães de milho e centeio que o pai das 3 meninas as formou advogada, matemática e engenheira.

Mas quis a vida que, chegando do interior para morar em Curitiba, o sabor do pão quentinho faltasse. E veio o desejo de fazer seus próprios quitutes em casa, dando continuidade à alquimia da culinária que já estava na família. Elizabeth começou a fazer sucesso com seus doces na universidade, encomendas vieram e um espaço aconteceu naturalmente. A irmã Ana Paula, advogada e designer de produtos veio junto, com os bolos e o desenho da marca. Que, aliás, alía as mãos de fada para criar confeitos e o desejo de doces, características das boas formigas.

Fada doceira.

E a engenheira? Desde sempre, a caçula desenhou vestidos de noiva. Essa tinha mais forte o gene da mãe, exímia bordadeira em ponto cruz. Aprendeu a arte da costura e se especializou como designer de moda. Com as irmãs, Luciana ocupa o espaço com seu atelier de vestidos de casamento, o Mime vai Casar. Tudo lindo e fofo.

A casa de chá e o atelier de moda têm o jeito que as irmãs sonharam: parece que a gente está em casa. Cortinas com tecidos delicados, ponto cruz nas toalhas de mesa, cadeiras coloridas, louça charmosa, papéis de parede floridos, lavanda na porta, tudo tem um toque francês. Vale a visita.

Você também pode gostar de…
DSCN0491

Read Full Post »

Juro. Não vi nenhuma vez. Aliás, nem arroz vi, muito menos com pedacinhos de cenoura, pimentão e passas. Em compensação, existem comidas aqui que são acontecimentos inesquecíveis.

A lula é macia. Incrível. Peixe que a gente escolhe na cozinha do restaurante. Tem polvo de tudo que é jeito e camarão de jeito nenhum (estranho, não?).

Aqui é o pais da feta, queijo de leite de ovelha, bem salgado e com a consistência de uma ricota firme para ser cortada em fatias. Ele é parte integrante e fundamental da famosa salada grega, feita com tomates, pepino, pimentão, cebola roxa, azeitonas pretas, alcaparras e orégano. Tudo generosamente regado com azeite de oliva. No final, a melhor parte: limpar o óleo que fica no fundo do prato com bons pedaços de pão.

Ingredientes como limão, azeite de oliva, orégano e alcaparras (aqui usadas com suas folhas) são usados sem parcimônia.

Nosso campeão de audiência é o souvláki, algo bem leve que se compõe de carne de porco ou frango, dentro de um pão pita convivendo com zaztíki, cebola crua e tomate. Louco de bom. O zaztíki é feito com pepino ralado, alho e muito iogurte. Acompanha praticamente tudo. No Café del Mar, o bar preferido, também comemos essa salada de frutas com iogurte e mel. Divina.

Nossa rotina alimentar nesses dias de férias segue a tradição grega, regida pelos efeitos do sol – vá para a praia o quanto antes e só me volte de lá no fim do dia, quando o calor tiver baixado. Em casa, no pátio onde o sol ainda não atinge, café da manhã composto de iogurte (o melhor do mundo, denso, acidez na medida), frutas (pêssegos e os figos que começam a amadurecer) e mel (fabuloso). E um pão pelo qual me apaixonei perdidamente, integral com passas e coberto de linhaça, aveia e o que penso ser semente de girassol. Família grande, ritmos diversos, café da manhã longo… Em seguida, atividades domésticas variadas como orçamento do jardineiro, marceneiro, supermercado e arrumações.

Café da manhã.

Chega a hora de ir para a praia. Almoço te-vira-meu-nego: ou sanduíches que fazemos em casa ou  salada grega e suco de laranja ao som de lounge music no bar que fica no alto do morro em Vromolithos, a praia eleita pela família. Sombra. Livro. I-Pod. Soninho. Sudoku. Banho de mar. Casa (caminhando, sobe e desce ladeira, ainda calor, nem tudo são flores).

Sanduíches para todos.

Sombra.

Livro.

Soninho.

No jantar, ou comida feita em casa com influências gregas, italianas e brasileiras ou um restaurantinho. O cunhado Fabrízio, que escreve e faz marcenaria, é também excelente pizzaiolo e fez a gente se sentir na Itália com uma pizza deliciosa, ingredientes perfeitos, inclusive meus queridos figos. Saladinha de bresaola e rúcula para acompanhar. Você pode ver a produção dessa pizza em detalhes no blog da Marina.

Outro dia, jantamos na casa vizinha, do Zio Nichola. Misturas étnicas representadas por Strudel de Ameixa Vermelha, fatias de laranja com canela e passas, doces gregos e… caipirinha! Achei todos os ingredientes e trouxe um pouco de Brasil para essas terras.

Delícia são os pimentões recheados. Não há como reproduzí-los no Brasil: não existem esses pimentões verde-clarinhos, o bacon não é nem parecido e a feta… Nem procurando com vela acesa.

E não podia deixar de mostrar o famoso Moussaká, beringelas, carne moída e molho branco. Forno neles e Grécia em estado puro. E as beringelas secando ao sol antes de ir para a panela…

Aí vêm os doces. Não são muito a minha praia, mas quem aprecia confeitarias aqui ficaria muito feliz. São muitas, para uma ilha tão pequena, e a gente anda e vai sentindo o cheiro dos doces muito doces no ar. Galatobúrico, gourabiédes, bugazza, baklavá… Mas as que gosto mesmo são a Milópita, torta de maçã e a Patsavourópita, que significa Torta de Pano de Chão. Acho. Espero correções do Theo, meu professor de grego.

Milópita.

Ontem era minha vez de cozinhar e inventei uma coisa que ficou bem gostosa.

Polpette com molho de tomate e batatas assadas.

Para as polpette (almôndegas):

1 kg carne moída

1 cebola grande cortada em quadradinhos

1 pão francês adormecido amolecido em leite

1 ovo + sal e pimenta preta

Coloque a carne moída em uma tigela. Refogue a cebola em pouco óleo até ficar transparente. Esprema o pão para retirar o excesso de leite e junte à carne. Adicione também a cebola refogada. À parte, coloque o ovo em um recipiente, coloque sal e pimenta preta suficientes para temperar a carne. Misture e adicione à carne. Amasse bem forme bolinhos de carne do tamanho que desejar. Eu fiz do tamanho de um punho fechado pequeno. Disponha as polpette em uma forma grande.

Descasque e corte em rodelas finas 6 batatas grandes. Tempera-as com limão, sal e azeite de oliva (e orégano, se dele gostar). Coloque as batatas na forma cobrindo os espaços em torno das almôndegas. Faça um molho de toamte com tomates sem pele cortados em pedaços grandes e refogados com cebola e alho. Se quiser, pode aumentar com algum purê de tomate, tudo temperado com sal e uma boa pitada de açúcar. Jogue o molho de tomate por cima de tudo e forno. Com as deliciosas batatas daqui e em um forno elétrico, levou 50 minutos para ficar pronto.

Bela Grécia.

Você também vai se deliciar em…

DSC00786bMinha gastronomia grega

DSC02346

Comidas do Peru

Roma e seus sabores

Read Full Post »

Pra quem não me conhece, eu sou a Marina, do Confissões de uma Doceira Amadora. Coincidentemente, também filha da Jô, que tanto escreve nesse blog. Fora isso, eu sou praticamente madrinha desse cantinho da internet. Isso porque minha mãe só entendeu bem o que era um blog quando eu comecei o meu e ela teve um momento de “eu também quero”. Então, ano passado, no Dia das Mães, dei esse blog de presente pra ela! Ideia genial, né? Barato, pensado, é muito usado e apreciado até hoje… (já falei barato?).

Bom, mamãe já tinha feito um post convidado no meu, falando das doçuras de Roma e estava na vez de eu retribuir o favor! Mas sobre o que falar, sendo que arte, nas minhas mãos, só na cozinha mesmo! Confesso que sou uma amante do DIY, o tão conhecido Do It Yourself, ou em bom português, Faça Você Mesmo! Com um pouco de confiança nas minhas habilidades depois de conseguir fazer meu próprio cartão de visita, resolvi “montar” alguma coisa por aqui!

Começo falando que, de tantas outras coisas, uma coisa que eu morro de inveja dos americanos na cozinha, é a quantidade de boleiras que eles têm disponíveis! De vidro, de cerâmica, alta, baixa, com enfeite, pintada a mão, colorida, clássica… O que você imaginar tem! E boy, oh, boy a diferença que faz uma apresentação! Parece que o bolo ganha uma posição de destaque e então fica mais bonito! Dá uma olhadinha nos bolos da Bakerella nos seus devidos lugares:

Com isso em mente resolvi ensinar ao mundo como fazer uma boleira em casa! Tá-dá! Ótima ideia, não? E ainda por cima você pode usar coisas que já tem em casa! Você pode, eu não. Acho que minha mãe enlouqueceria se eu saísse usando os seus tão amados pratos em projetinhos pessoais… Mas não tem problema, uma passadinha na loja Etna e tinha todos os materiais necessários! Comprei um prato grande vermelho e uma taça para sorvete de acrílico!

E esses dois juntos deram exatamente R$17,98! Sim, sua boleira vai custar menos de R$18,00! Olha, só!

Tá bom, tá bom… Eu posso ter mentido! A boleira não vai custar isso… Você também vai ter que comprar um SuperBonder… Isso é, se você não tiver um escondido nos confins da sua geladeira!

Mas vamos pôr a mão na massa! Vire seu prato de “bundinha para cima”. (Perdão pela expressão, mãe, mas ela explica bem!) Reparem que quando eu arranquei a etiqueta que estava ali, metade da tinta saiu. Bom, eu falei quanto ele custou, então isso não devia surpreender ninguém. Vire também a taça, e passe SuperBonder abundantemente.

Não se preocupe se escorrer um pouco, ninguém vai ver esse lado! Agora vire e tente colar mais no centro possível do prato! Pra mim foi fácil, eu tinha um grande descampado de tinta para me guiar!

Agora você pode aproveitar e passar mais uma camadinha de SuperBonder onde o prato e a taça se encontram. Depois disso é só esperar! Vá ler um livro, escutar música, lavar roupa… O que o seu coraçãozinho mandar! Eu fui assar um bolo! Eu sou estranha assim. Quando você voltar, tá-dá! Lá está sua boleira!

Linda, né? Tá, quem sabe assim ela fique um pouco sem graça… Mas e se colocarmos um bolo em cima dela? Afinal, é pra isso que ela serve!

Que tal? Melhorou, né? O bolo é de chocolate, com recheio de Nutella com crocante de nozes e uma cobertura de ganache de Nutella ou, como é carinhosamente chamado por mim, The Cake! Se quiser saber a receita, corre lá no Confissões pra saber!

Mamãe, adorei visitar seu blog! Amo-te!

Você também pode gostar de…

Captura de Tela 2013-03-07 às 14.51.11

Hoje chorei na frente do chuchu

Ganhei da minha mãe

Com a sua cara – Personalização

Read Full Post »

Minha filha tem um blog. Há um ano, começou a fazer doces e compartilhar sucessos e sustos no Confissões de uma Doceira Amadora. O dono da Gepetto Pizza & Cucina, restaurante delicioso e já tradicional em Curitiba, acompanhou a trajetória da Marina no blog e a convidou para fazer as sobremesas lá.

Resultado: a amadora está se profissionalizando, com o suporte do chef de cozinha e do Amor (sim, ele se chama assim), amigo da família há anos e a quem eu precisava agradecer a oportunidade. As coisas só acontecem quando alguém acredita na gente.
O agradecimento que escolhi foi fazer essa caixa de chá, com a marca do restaurante.

Quando for na Gepetto, depois da sobremesa, peça chá!

Marina apresenta uma mesa de sobremesas na Gepetto. Variam a cada dia e são sempre uma delícia!

Sobremesas deliciosas na Gepetto.

Mousse de Nutella!

Você também vai se deliciar em….

eat3

Pizza na Itália

Bolo de milho e feriado

DSC_0209Recomendo

Read Full Post »

Minha delícia preferida.

Prometi um post para minha filha Marina sobre os doces de Roma, já que ela é cada vez menos amadora nas suas experiências de doceira. Visite o blog dela onde mostro os doces que vi na Itália e dou a receita dessa maravilha tipicamente italiana: i Profiteroli al Cioccolato.

E ela tem um canal no Youtube: Confissões de uma Doceira Amadora

Você também vai se deliciar em…

DSCN2165c

Torta de banana

Um prato, muitas receitas

DSC_0521

Boleira caseira

Read Full Post »

« Newer Posts - Older Posts »